Matéria Médica Chinesa

Matéria Médica chinesa

TABELA DE CONTEÚDOS

Uma introdução à prescrição da Matéria Médica Chinesa

Todo o sistema de pensamento empregue na Matéria Médica Chinesa está feito de forma a catalogar os sintomas em escalões racionais.

Essa base é usada para se catalogar produtos vegetais ou animais usados no tratamento das mais diferentes maleitas.

Essas drogas devem ser indicadas ou contra-indicadas consoante o padrão clínico do paciente.

Por exemplo: prescrever Matéria Médica Chinesa com plantas que nutrem o Yin em pacientes com Vazio de Yin e contraindicadas em pacientes com Vazio de Yang.

A teoria Yin e Yang encontra-se na base da sua classificação. Como referi noutros artigos, um Vazio de Yin está associado a padrões de calor uma vez que o Yin representa o frio.

Prescrever Matéria Médica Chinesa com base nas naturezas das drogas

Matéria Médica Chinesa

Image by Husky Kuma from Pixabay

No artigo sobre diagnóstico tradicional chinês descrevi vários padrões clinicos que se diferenciavam por propriedades dos sintomas.

Em termos de características temos que o Vazio de Yin e a Plenitude Calor são 2 padrões caracterizados por sintomas de calor com a única diferença na intensidade com que se manifestam estes sintomas.

Por outro lado o Vazio de Qi e o Vazio de Yang são padrões de frio igualmente com a diferença de sintomas em termos de intensidade.

Esta dicotomia de quente/frio é a base de divisão clínicas das drogas usadas em Medicina Chinesa.

Sem elas não podemos prescrever Matéria Médica Chinesa. Façamos então uma correspondência entre estes quadros e as características das drogas usadas:

Plenitude CalorVazio de YinVazio de QiVazio de Yang
Muito quenteModeradamente quenteModeramente frioMuito frio
Plantas friasPlantas frescasPlantas mornasPlantas quentes

As 4 naturezas das drogas são o princípio base aqui colocado.

Uma droga pode ser de natureza fria, fresca, morna ou quente.

Uma vez que a lógica de tratamento, ao prescrever Matéria Médica Chinesa, é contrariar a evolução dos sintomas pressupõe-se que drogas frias combatam padrões de calor e vice-versa.

Este sistema foi-se estabelecendo ao longo dos anos por experimentação clínica.

Se o Gypsum Fibrosum ou o Rhizoma Anemarrhenae aliviam sintomas de calor devem ter uma natureza fria.

Logo concluímos que drogas de natureza fresca ou fria arrefecem o corpo e drogas de natureza morna ou quente aquecem o corpo.

Se já visitou Marrocos sabe que existe um costume local de beber chá de Mentha Piperita.

Esse chá bebe-se para arrefecer o corpo nos dias de calor apesar de se beber quente. Isto porque a planta usada é de natureza fria.

O princípio base para prescrever Matéria Médica Chinesa consiste em seleccionar drogas frias para quadros de calor e drogas quentes para quadros de frio.

No entanto esta é só a base para prescrever Matéria Médica Chinesa. É evidente que também podemos ter drogas de natureza neutra que não aquecem nem arrefecem.

Prescrever Matéria Médica Chinesa com base nos sabores das drogas

prescrição de fitoterapia medicina chinesa

Além das 4 naturezas, as drogas em na Matéria Médica Chinesa também são catalogadas de acordo com os 5 sabores.

Os 5 sabores são: picante, doce, ácido, amargo e salgado.

As drogas são colocadas nestas categorias não pelo paladar mas pelos efeitos clínicos.

Cada uma delas tem características muito específicas que apresento no quadro abaixo.

picantedoceácidoamargosalgado
Induz diaforese
Promove circulação de Qi e Sangue
Tonifica
Alivia espasmos
Suaviza a acção de outras ervas
Pára sudação
Pára hemorragia
Alivia diarreia
Controla emissões nocturnas
Elimina Humidade
Baixa Qi rebelde
Elimina calor
Relaxa intestinos
Elimina nódulos ou massas

Por exemplo, a Massa Fermentata Medicinalis é de natureza morna e tem sabor picante e doce:

1 – O sabor pungente indica que pode ser usada para mover o qi e eliminar estases;

2 – O sabor doce e natureza morna indica que ela é boa para tonificar (neste caso, em particular, o Baço).

Logo pode ser usada em casos de estase de alimentos com sintomas de vazio de qi do baço como perda de apetite, astenia, dilatação abdominal, etc…

Ainda existem mais 3 sabores que podem ser considerados:

1 – sabor neutro que corresponde ao sabor doce e possui a capacidade de nutrir os líquidos orgânicos.

2 – sabor adstringente que pertence ao sabor ácido com a capacidade de adstringência.

Neste caso existe a capacidade de interiorização mas não falamos propriamente dito do sabor ácido.

3 – drogas com sabor aromático possuem a capacidade de eliminar humidade.

Por exemplo, o rhizhoma Atractylodis é de sabor aromático e como tal elimina humidade e fortalece o baço. O Córtex Magnoliae Officinalis é outro exemplo.

Prescrever Matéria Médica Chinesa atendendo às naturezas e sabores

futuro da farmacoterapia medicina chinesa

Desta forma uma droga pode ser classificada dentro das 4 naturezas ou dos 5 (+3) sabores.

Pode ser morna e picante; morna e doce; fresca e salgada; fria e amarga; etc….

Estas diferentes classificações referem características clínicas muito específicas sem as quais não é possível prescrever Matéria Médica Chinesa.

Por exemplo ambas as plantas Radix Scutellariae e Radix Rehmannia Praeparata são de natureza fria e como tal usadas em padrões de calor.

No entanto a Radix Scutellaria tem sabor amargo e a Radix Rehmannia Praeparata é de sabor doce.

Qual a importância destas diferenças de sabor em termos de prática clinica ao prescrever Matéria Médica Chinesa?

Como referido acima o sabor amargo é usado para eliminar Humidade e o sabor doce é usado para tonificar.

Uma vez que são ambas de natureza fria temos que a Radix Scutellaria é usada para tratar quadros de Humidade-Calor (sabor amargo + natureza fria) e a Radix Rehmannia Praeparata é usada em quadros de Vazio de Yin (natureza fria + sabor doce).

O Rhizoma Coptidis também tem natureza fria e sabor amargo. Tal como o Radix Scutellaria pode ser usado para tratar padrões de Humidade-Calor.

A casca da planta Paeonnia Sufructicosa cujo nome farmacêutico é Córtex Mountain Radicis é de natureza fria e sabor picante logo pode ser usada em quadros de estase de sangue com produção de calor.

Mas além do sabor picante também tem sabor amargo. Como vimos o sabor amargo é usado, além de outras coisas, para eliminar calor.

Associando sabor amargo com a natureza fria temos que esta droga da Matéria Médica Chinesa é muito usada para eliminar calor do sangue.

A flor do crisântemo de nome farmacêutico Flos Chrysanthemi Morifoli é de natureza ligeiramente fria e sabor picante, doce e amargo.

A natureza ligeiramente fria permite-lhe ser usada em quadros cujos sintomas sejam típicos de calor.

O sabor picante está relacionado com a sua capacidade de induzir diaforese, logo pode ser usada no tratamento de quadros de vento-calor externo.

O sabor doce está relacionado com a sua capacidade de tonificação.

Sabendo que tonifica e elimina calor deve ser usada para quadros de vazio de yin do fígado com subida de yang.

Finalmente temos o sabor amargo que associado á sua natureza fresca (ligeiramente fria) lhe permite eliminar calor e remover toxinas do corpo.

No entanto só as 4 naturezas e 5 sabores não são suficientes para se compreender toda a panóplia de aplicações clínicas dos produtos vegetais e animais usados em Matéria Médica Chinesa.

Temos ainda de entrar em linha de conta com os meridianos em que actuam e com a sua toxicidade.

Estes são pontos importantes para prescrever Matéria Médica Chinesa e que serão desenvolvidos no próximo artigo.

Prescrever Matéria Médica Chinesa com base no movimento

farmacologia chinesa matéria médica chinesa

Em Medicina Tradicional Chinesa considera-se que as patologias têm uma tendência de movimento.

Essa tendência pode ser para cima, para baixo, para fora ou para dentro.

Estas diferentes tendências não são uma adaptação da rosa dos ventos feita à pressa numa esquina.

Mais uma vez são uma forma de analisar sob um ponto de vista clínico os sintomas de um paciente e a sua consequente evolução.

E a sua análise é relevante ao prescrever Matéria Médica Chinesa.

Sintomas como vómitos, soluços, hipertensão, cefaleia são típicos de um quadro clínico com tendência de subida.

Numa paciente com prolapso uterino a tendência é de descida.

Diarreia, gastroptose, prolapso anal são outras queixas caracterizadas por uma tendência descendente da doença.

Existem padrões clínicos que tem a tendência de se aprofundar no corpo com sintomas como febre e arrepios com tendência para o desaparecimento dos arrepios e agravamento da febre, acompanhados de ausência de sudação ou maleitas cuja tendência é de exteriorização com sintomas como sudação diurna e nocturna.

No entanto não iremos abordar muito a análise destes sintomas uma vez que nos obrigaria a ter conhecimentos de patologia externa em Medicina Chinesa, assunto esse que não será muito desenvolvido nesta obra. 

Tal como aconteceu para as 4 naturezas o princípio base de tratamento, ou seja contrariar a evolução da doença, continua o mesmo.

Logo usam-se drogas com efeito de elevar em doenças cuja tendência seja para baixo e drogas com efeito de afundar quando a natureza da doença seja para cima.

A Ephedra Sinica induz a sudação logo tem efeito exteriorizador. A Ephedra é classificada como uma planta que alivia síndromes externos. É usada para tratar invasões de vento-frio externo.

A sua natureza morna indica que pode ser usada para tratar padrões de frio e o seu sabor picante indica que pode mover qi e sangue – logo pode dispersar –.

O tropismo para o meridiano do Pulmão assinala uma especificidade a nível do sistema defensivo (wei qi).

Todas as drogas catalogadas nos padrões de vento-frio, com natureza morna e sabor picante, possuem efeitos exteriorizadores pois estimulam a sudação.

Muitas, como a Ephedra, também estimulam a micção.

Outros exemplos de plantas com capacidades exteriorizadoras seriam Ramulus Cinnamomi, Herba Asari, Radix Ledebouriellae ou Herba Schizonepetae, entre outras.

Existe uma relação próxima entre os efeitos das drogas e as suas naturezas e sabores. Desta forma temos que:

(1) plantas de natureza quente ou morna e sabor doce ou picante tem efeitos de elevação e exteriorização e

(2) drogas com natureza fria ou fresca e sabor salgado, ácido e amargo tem efeito de interiorização ou afundamento.

Apesar de existirem excepções, esta é a regra geral.

A Flos Sophorae encontra-se aconselhada no tratamento de hemorragias por calor no sangue. A flor desta planta é catalogada como possuidora de uma natureza ligeiramente fria e sabor amargo.

Uma vez que existem hemorragias pretende-se uma planta com um efeito interiorizador e afundador. Como podemos reparar, a natureza e o sabor desta planta são específicos para este tipo de problemas.

Prescrever Matéria Médica Chinesa com base no tropismo da droga

Matéria médica chinesa

Podemos ainda especificar mais as queixas do paciente. Dentro dos vários tipos de hemorragia que existem, esta planta (Flos Sophorae), é usada para melenas (sangue nas fezes) e muito particularmente para hemorróides hemorrágicas.

A razão desta especificidade está naquilo que designamos de tropismo e tem relação com o meridiano (vaso longitudinal) para o qual a planta apresenta afinidade.

A afinidade que uma determinada planta tem para um meridiano é importante para determinar os casos clínicos em que ela possa ter relevância.

Já vimos como através da natureza, sabores e efeitos se classificavam as drogas e como essa classificação induzia o profissional a prescrever Matéria Médica Chinesa.

No entanto, em termos de sintomatologia falamos dos síndromes gerais como Humidade-Calor,Vazio de Yang, Vazio de Qi, etc…

Ainda não definimos nenhum sistema de classificação que permita dividir as plantas de acordo com a sua acção em diferentes órgão. O que é que isto significa?

Pensemos assim: temos 2 plantas cuja função é eliminar Humidade-Calor.

No entanto nada nos diz se uma planta é melhor que outra para tratar Humidade-Calor na Bexiga ou Humidade-Calor na Vesícula Biliar.

Os sintomas destes 2 casos encontram-se no quadro abaixo:

Humidade-Calor na BexigaHumidade-Calor na Vesícula Biliar
Polaquiúria, urina quente e de cheiro intenso, disúria, urgência em urinar, micção em jacto, dor no baixo ventre acompanhada de sensação de peso e calor e melhora com aplicações de frio, dor que agrava com pressão.Dor no hipocôndrio que agrava com pressão e calor, melhora com aplicações de frio, sensação de peso local, febre, irritabilidade, vómitos que agravam com ingestão de alimentos gordurosos, icterícia, face vermelha.

Nestes 2 casos muito diferentes, o padrão clínico é o mesmo mas as vísceras afectadas são diferentes.

Por vezes fica difícil prescrever Matéria Médica Chinesa sem saber qual o meridiano afetado.

Por uma droga ser boa no tratamento de problemas urinários por Humidade-Calor não significa que o seja para a Vesícula Biliar ou outras vísceras ou órgão do corpo humano.

Logo conhecer os meridianos em que actua determinada droga ajuda o terapeuta a especificar o seu comportamento clínico e assim a prescrever Matéria Médica Chinesa.

A acção no meridiano define-nos a área do corpo em que determinada droga irá actuar.

A Herba Leonuri tem natureza ligeiramente fria e sabor ácido e picante. O sabor picante promove a circulação de qi e sangue e a natureza ligeiramente fria actua em quadros de calor.  

O tropismo para o meridiano do Fígado indica que pode ser usada em problemas menstruais associados a padrões de estase de sangue com calor.

O seu tropismo para o meridiano da Bexiga indica que é particularmente útil no tratamento de edema e dificuldade urinária.

Conclusão

Em termos gerais esta é a base para prescrever Matéria Médica Chinesa. São princípios simples que ajudam o especialista em medicina chinesa na sua prática diária.

Tipos Comuns De Combinação de Ervas

Ao longo da história da Matéria Médica Chinesa, os mestres repararam que a combinação de ervas (ou drogas como são geralmente chamadas) apresentava melhores resultados que o seu uso isolado e tinham mais vantagens.

A combinação de ervas permite-lhes ter uma maior aplicabilidade clínica, o uso combinado de drogas permitiu diminuir ou eliminar os efeitos secundários ou tóxicos de drogas isoladas.

Por outro lado a combinação de ervas pode aumentar o efeito terapêutico desejado aumentando as melhoras que o paciente sente.

Na medida que se foi percebendo as vantagens da combinação de ervas, assim como dos seus perigos, começou-se a estudar com atenção todo o tipo de reacções observadas até se conseguirem estruturar bem os diferentes tipos de combinações possíveis.

Estas combinações servem para indicar ao especialista de Matéria Médica Chinesa o que deve e o que não deve fazer quando pensa em prescrever fórmulas patenteadas.

Dos 7 tipos de combinações apresentadas por Yifang Yang, 4 são comumente usadas nos tratamentos (acentuação e reforço mútuos, oposição e supressão mútuas), 1 é usada num número muito limitado de problemas (efeito único) e 2 devem ser evitadas (antagonismo e incompatibilidade).

Na realidade estas duas últimas podem considerar-se como proibições de combinação.

Ainda são apresentadas mais duas formas de combinação descritas em maior pormenor por Sionneau sendo elas: “combinar para guiar” e “combinar sabores e naturezas”.

Neste capítulo será dada relevância a cada uma delas apesar das mesmas se poderem analisar também usando somente a classificação usada por Yang.

A “combinação para guiar” chama atenção para as drogas usadas como guias numa prescrição enquanto “combinar naturezas e sabores” faz referência a uma forma mais avançada de combinar drogas mas que está alicerçada na forma como estas são classificadas.

Combinação de ervas: Acentuação Mútua[i]

Na acentuação mútua duas drogas com acções similares são usadas em conjunto para aumentar o efeito terapêutico tornando o tratamento mais rápido e eficaz do que aquele obtido unicamente com doses elevadas de uma única droga.

Dentro desta combinação existem algumas variantes:

Drogas médicas do mesmo tipo que se complementam uma à outra

É a combinação mais usual em Matéria Médica Chinesa. Como o nome indica recorrem-se a drogas pertencentes ao mesmo grupo (tónicas, libertam o exterior, etc…) de forma a que se complementem uma à outra.

Alguns exemplos:

Ma Huang (herba ephedrae) e Gui Zhi (Ramulus cinnammomi cassiae): a primeira elimina frio e liberta o exterior  enquanto a segunda dispersa vento e liberta o exterior (com acção mais moderada que a primeira).

Drogas de tipos diferentes que se complementam uma à outra

Neste caso recorrem-se a drogas pertencentes a classificações diferentes mas com capacidade de complementação.

Dentro desta forma de combinação pode ainda encontrar-se diferentes subtipos de combinação:

a) tratar raíz (ben) e ramificação (biao) simultaneamente: tratar padrões de estase de sangue no coração devido a vazio de yang onde se activa o sangue (ramificação) e suplementa o yang (raiz).

b) suplementar duas divisões simultaneamente: tratar padrões simultâneos de vazio de qi e sangue, por exemplo.

c) tratar duas condições patológicas simultaneamente: tratamento da dor com mistura de padrões de estagnação de qi com estase de sangue.

d) Harmonizar o interior e o exterior: drenar factores patogénicos externos em padrões de shao yang ou eliminar qi patogénico em padrões de shao yang. Neste caso harmoniza-se o shao yang.

e) suplementar e drenar simultaneamente: tratamento de vento externos com reforço simultâneo do qi do baço.

f) reforçar uma acção: associação de drogas que drenem e eliminem humidade.[ii]

Combinação de ervas: Reforço Mútuo

Nesta combinação existem duas drogas com acções diferentes. A primeira droga é usada para tratar a causa patológica e a segunda para aumentar o seu efeito. A natureza das drogas é relevante para se perceber a sua combinação.

Como veremos esta combinação também é usada para tratar efeitos secundários de uma das drogas. Alguns exemplos introdutórios são possíveis.

Gan Cao (radix glycyrrhizae praeparata) reduz o efeito purgativo da droga Da huang (rhizoma rhei).

Nesta combinação podem também usar-se drogas com propriedades opostas (exteriorizam-interiorizam, por exemplo).

Nestes casos a droga principal funciona como droga imperadora enquanto a droga secundária funciona como assistente.

A droga assistente vai garantir uma acção moderada da droga imperadora.

Huang Qi (radix astragali) é usada para tonificar e estabilizar o qi defensivo (wei qi) e é combinada com pequenas doses de fang feng (radix saposhnikoviae) que vai dispersar vento externo. A segunda droga, usada em doses menores, vai garantir que a primeira não prende o vento dentro do corpo.[i]

As diferentes variações são:

Combinação de drogas de natureza quente e fria

Como apresentam funções opostas por vezes é complicado combinar estas drogas. No entanto, existem algumas combinações muito boas:

Shi Gao (Gypsum fibrosum) e Gui Zhi (ramulus cinnammomi cassiae): shi gao é fria enquanto a gui zhi é morna o que permite construir uma fórmula fresca onde o frio excessivo não é capaz de provocar padrões de estase.

Suplementar e drenar simultaneamente

Usada quando padrões de plenitude e vazio existem simultaneamente. As drogas Da Huang (radix et rhizoma rhei) e ren shen (radix panacis ginseng) são um exemplo onde uma droga fortalece o qi correcto e outra drena factores patogénicos externos. [ii]

Apesar de não ser referido nas diferentes obras é possível observar que existem algumas semelhanças entre os diferentes métodos de combinação.

Isto também se pode dever ao grau de profundidade que se pretende dar à nossa análise.

Ao aprofundar a análise aos métodos de combinação de pontos torna-se evidente a associação destes com os princípios terapêuticos.

Abrir e recolher simultaneamente

Muito parecido com o anterior na medida que pretende suplementar e drenar simultaneamente. No entanto, neste caso pretende-se renormalizar o fluxo de qi, ou seja, suplementar o movimento do qi correcto e dispersar o qi rebelde.

Uma combinação comum:

Xi xin (herba asari cum radice) e wu wei zi (fructus schisandrei chinensis).

Materia medica chinesa

Combinação de ervas: Oposição Mútua (xiang wei)

Nesta combinação os efeitos secundários ou a toxicidade de uma única droga podem ser diminuídos através do uso de outra droga.

Sionneau descreve esta combinação como “combinar para harmonizar”. Neste caso as drogas são usadas para harmonizar, balançar, reconciliar e tornar coerentes as acções de outras drogas.[i]

Entre alguns exemplos possíveis:

Sheng jiang (rhizoma zingiberis recens) reduz os efeitos tóxicos de ban xia (rhizoma pinelliae)[ii].

Zhi gan cão (radix glycyrrhizae praeparata): balança as acções de outras drogas.

Acalma a acção de aquecer da droga gan jiang (rhizoma zingiberis seco) e fu zi (radix lateralis praeparatus aconiti carmichael) e por outro lado tempera a acção de arrefecer de drogas como shi gao (gypsum fibrosum).

Combinação de ervas: Supressão Mútua

Nesta combinação a primeira droga inibe ou diminui o efeito tóxico da segunda erva.

Por exemplo, a Ge Hua (Puerariae flos) reduz os efeitos tóxicos do alcóol. Esta combinação é designada por Sionneau como “combinar de forma a proteger”.

Apesar de existirem vários exemplos possíveis, nesta combinação, pode chamar-se mais a atenção para a protecção do estômago dos efeitos drásticos de outras drogas.

Devido à importância do estômago na fisiologia chinesa a sua protecção é da máxima importância.

O estômago é considerado a fonte da transformação dos alimentos pelo que tem importância para a formação do qi e sangue no organismo.[iii]

Alguns exemplos possíveis dados por Sionneau:

Shi gao (magnetite) e shen qu (massa medica fermentata): a magnetite é usada para acalmar a mente, entre outras coisas, mas é de difícil digestão para o estômago pelo que se adiciona massa fermentata de forma a fortalecer o estômago.

Shi Gao (gypsum fibrosum) e geng mi (sémen oryzae sativae): gypsum fibrosum elimina calor sendo uma droga de natureza fria. Geng mi protege o estômago de drogas frias. Desta forma consegue tratar-se o problema em causa (plenitude calor, por exemplo) sem colocar em causa o estômago.[iv]

No entanto, esta combinação não precisa focar-se unicamente no estômago. Yifang Yang chama a atenção para diferentes combinações relativamente a drogas tóxicas apresentando uma lista na sua obra Chinese Herbal Drugs.

Angela Tseng, et all, apresenta listas ainda mais completas de drogas tóxicas. Estas listas encontram-se apresentadas abaixo no artigo.

A oposição e supressão mutuas são obrigatórias devido à existências de drogas venenosas mas com potencial de aplicabilidade clínica.

Regra geral, estas drogas só devem ser prescritas por especialistas experientes em Matéria Médica Chinesa e a sua dosagem nunca deve ser esquecida[v]. Seguem-se exemplos de drogas tóxicas.

Drogas extremamente tóxicas: dosagens entre 0.03 e 1.5 grama em comprimidos/pó.

• Ba Dou ( Croton Seed )

• Ban Mao ( Cantharides )

• Cao Wu ( Kusnezoff Monkshood Root )

• Chuan Wu ( Sichuan Monkshood Root )

• Li Lu ( Mountain Onion )

• Nong Ji Li ( Crotalaria Plant )

• Pi Shi ( Arsenolite )

• Shui Yin ( Mercury )

• Tian Xian Zi ( Henbane Seed )

• Xue Shang Yi Zhi Hao ( Brachypodum Monkshood Root )

• Yang Zhi Zhu ( Yellow Azalea )

Drogas tóxicas: dosagens entre 3 e 12 gramas em decocção e 0.3 a 3 gramas em pó/comprimidos.

• Ba Jiao Feng ( Chinese Alangium Root )

• Bai Fu Zi ( Giant Typhonium Tuber )

• Bai Hua She ( Agkistrodon Snake )

• Chan Su ( Toad Venom )

• Chang Chun Hua ( Madagascar Periwinkle )

• Chang Shan ( Dichroa Root )

• Chen Shi Hui ( Old Lime )

• Da Feng Zi ( Chaulmoogra Seed )

• Da Ji ( Peking Spurge Root )

• Dan Fan/Shi Dan ( Crystallized Blue Vitriol )

• Fu Zi ( Aconite )

• Gan Sui ( Kan-Sui Root )

• Gua Di ( Melon Pedicle )

• Ku Lian Gen Pi ( China Tree Root Bark )

• Lei Gong Teng ( Tripterygium Wilfordii Hook )

• Liu Huang ( Sulphur )

• Lu Feng Fang ( Hornets’ Nest )

• Man Tuo Luo/Yang Jin Hua ( Jamestown Weed Seed/Leaf/Flower )

• Mao Zhua Cao ( Buttercup Root )

• Mi Tuo Seng ( Litharge or Galena )

• Mu Bie Zi ( Momordica Seed )

• Nao Sha ( Sal Ammoniac )

Qian Dan ( Lead Oxide Pb 3 O 4 )

• Qian Niu Zi ( Morning Glory Seed )

• Qiang Lang ( Dung Beetle )

• Qing Fen ( Calomel )

• Quan Xie ( Scorpion )

• Shang Lu ( India Pokeberry Root )

• Shi Liu Gen Pi ( Bark of Pomegranate Tree )

• Shi Liu Pi ( Pomegranate Husk )

• Shui Zhi ( Leech )

• Tian Nan Xing ( Jack-in-the-Pulpit )

• Tu Bie Chong ( Wingless Cockroach )

• Tu Jin Pi ( Golden Larch Bark )

• Wu Gong ( Centipede )

• Xi Shu ( Happy Tree Fruit Bark )

• Xiong Huang ( Realgar )

• Xu Sui Zi ( Moleplant Seed )

• Ya Dan Zi ( Java Brucea Fruit )

• Ying Su Ke ( Opium Poppy Husk )

• Yuan Hua ( Genkwa Flower )

• Zao Jiao ( Chinese Honey-Locust Fruit )

• Zhang Nao ( Camphor )

• Zhu Jie Xiang Fu/Lian Tou Jian ( Anemone )

Drogas ligeiramente tóxicas: dosagens não devem ser superiors a 15 gramas diários em decocção.

• Bai Guo ( Ginkgo Nut )

• Ban Xia ( Pinellia Tuber )

• Chuan Jiao/Shu Jiao ( Fruit of Szechuan Prickly Ash Pepper )

• Chuan Lian Zi ( Chinaberry Fruit )

• Gan Qi ( Dry Lacquer Sap )

• Guan Zhong ( Dryopteris Root )

• He Shi ( Starwort Fruit )

• Hu Er Cao ( Saxifrage )

• Huang Du ( Air Potato Yam )

• Jiu Jie Cha ( Sarcandrae Plant )

• Lei Wan ( Fruiting Body of Stone-Like Omphalia )

• Liang Mian Zhen ( Prickly Ash Root )

• Long Kui ( Black Nightshade )

• Mang Chong ( Gadfly )

• Wan Nian Qing ( Japanese Lily Bulb )

• Wu Zhu Yu ( Evodia Fruit )

• Xian Mao ( Rhizome of Golden-Eye Grass )

• Xing Ren ( Apricot Seed )

• Ze Qi ( Spurge )

• Zi Bei Tian Kui ( Begonia)[vi]

matéria médica chinesa

Combinação de ervas: Combinar para guiar

Esta forma de combinação de ervas chama a atenção para as drogas guia de uma prescrição.

Ela pode ser analisada como uma parte da combinação reforço mútuo ou pode ser analisada isoladamente.

Devido à relevância destas drogas decidi apresentar a combinação em separado tal como foi apresentado por Sionneau.

No fundo as drogas guia, guiam a acção das outras drogas para o local desejado, tornando a prescrição mais eficaz.

Entre várias drogas guia encontram-se:

Vaso do intestino delgado: um tong, deng xin cão, gao bem e huang bai.

Vaso da bexiga: ge gen, qiang huo.

Vaso do intestino grosso: da huang, bai zhi, sheng ma, shi gao.

Vaso do estômago: bai zhi, sheng ma, shi gao, ge gen.

Vaso do triplo aquecedor: zhi zi, gui zhi, wan qian e di gu pi para o aquecedor superior; qing pi para o aquecedor médio e fu zi para o aquecedor superior.

Vaso da vesivcula biliar: chai hu e qing pi.

Vaso do pulmão: jie geng, sheng ma, cang bai e bai zhi.

Vaso do baço: bai zhu, ge gen, cang zhu, sheng ma, bai shao.

Vaso do coração: huang lian, xi xin.

Vaso do rim: du huo, rou gui, zhi um, xi xin.

Vaso do pericárdio: chai hu, mu dan.

Vaso do fígado: wu zhu yu, chai hu, chuan xiong, qing pi.[i]

Combinação de ervas: Combinar sabores e naturezas

Tanto a combinação de drogas como a classificação de sintomas são muito idênticos.

A definiçaõ dos sabores e naturezas das drogas é uma forma de se classificarem as suas propriedades de acordo com o diagnóstico.

No entanto a combinação baseada nestas propriedades exige um alto nível de formação.

Nesta parte do artigo vamos somente apresentar sumariamente algumas combinações possíveis com respectivas drogas. Para ver o assunto mais desenvolvido aconselho o estudo da obra de Sionneau, Dui Yao.

Picante e doce

Drenagem – ma huang (herba ephedrae) e zhi gan cão (radix glycyrrhizae praeparata)

Suplementar e gerar yang – gui zhi (ramulus cinnammomi cassiae) e yi tang (saccharum granorum)

Picante e adstringente

Drenar e segurar simultaneamente – xi xin (herba asari cum radice) e wu wei zi (fructus schisandrae chinensis)

Picante e morno

Dispersar vento-frio – gui zhi (ramulus cinnammomi cassiae) e ma huang (herba ephedrae)

Amargo e salgado

Drenar fogo e molecer o duro – xia ku cão (spica prunellae vulgaris) e um li (concha ostreae).

Combinação de ervas: Antagonismo Mútuo (Xiang wu)[ii]

Neste tipo de combinação, uma droga pode reduzir os efeitos terapêuticos de outra droga.

Ao todo são conhecidos 19 antagonismos entre as drogas usadas na Matéria Médica Chinesa:

OS 19 ANTAGONISMOS

• Liu Huang ( Sulphur ) — Po Xiao ( Sal Glauberis )

• Shui Yin ( Hydragyrum ) — Pi Shuang ( Arsenicum )

• Lang Du ( Rx. Euphorbiae Fischerianae ) — Mi Tuo Seng ( Lithargyrum )

• Ba Dou ( Sm. Crotonis ) — Qian Niu Zi ( Sm. Pharbitis )

• Ya Xiao ( Nitrum ) — San Leng ( Rx. Sparganii )

• Ding Xiang ( Flos Eugeniae ) — Yu Jin (Rx. Curcumae)

• Fu Zi/Chuan Wu/Cao Wu (Rx. Aconiti) — Xi Jiao (Cornu Rhinoceri)

• Rou Gui (Cx. Cinnamomi Cassiae) — Chi Shi Zhi (Halloysitum Rubrum)

• Ren Shen (Rx. Panacis Ginsengis) — Wu Ling Zhi (Excrementum Trogopteri)[iii]

Combinação de ervas: Incompatibilidade Mútua (Xiang fan)

Neste tipo de combinação, a associação de 2 drogas podem produzir um efeito perigoso pelo que a sua combinação é totalmente proibida. Tradicionalmente existem 18 substâncias descritas:

As 18 incompatibilidades

• Gan Cao ( Rx. Glycyrrhizae ) é incompatível com:

1. Gan Sui ( Euphorbiae kansui )

2. Da Ji ( Rx. Euphorbiae seu Knoxiae )

3. Yuan Hua ( Flos Daphnis )

4. Hai Zao ( Hb. Sargassii )

• Wu Tou ( Rx. Aconiti ) é incompatível com:

1. Bai Ji ( Rz. Bletillae )

2. Gua Lou ( Fr. Trichosanthis )

3. Bei Mu ( Bulbus Fritillariae )

4. Ban Xia ( Rz. Pinelliae )

5. Bai Lian ( Rx. Ampelopsis )

• Li Lu ( Rz. et Rx. Veratri ) é incompatível com:

1. Ren Shen ( Rx. Panacis ginsengis )

2. Sha Shen ( Rx. Glehniae )

3. Dan Shen ( Rx. Salviae miltiorrhizae )

4. Xuan Shen ( Rx. Scrophulariae )

5. Xi Xin ( Hb. Asari cun radice )

6. Bai Shao ( Rx. Paeoniae albae )

7. Chi Shao ( Rx. Paeoniae Rubra )[i]

Também foram verificadas algumas incompatibilidades entre drogas de Matéria Médica Chinesa e dietética

Incompatibilidades descritas entre drogas e alimentos:

• Bo He ( Peppermint ) — carne de tartaruga do mar

• Chang Shan ( Dichroa Root ) — cebolinha fresca, cebolinha

• Feng Mi ( Honey ) — cebolinha fresca

• Fu Ling ( White Poria ) — vinagre

• Han Cai ( Nasturtium ) — carne de tartaruga do mar

• He Shou Wu ( Fleeceflower Root ) — cebolinha fresca, alho, cebolinha e nabo

• Sheng Di Huang ( Fresh Rehmannia ) — cebolinha fresca, alho, cebolinha e nabo

• Shu Di Huang ( Cooked Rehmannia ) — cebolinha fresca, alho, cebolinha e nabo[ii]

Combinação de ervas: Efeito único (Dan Xing)

Algumas drogas podem ser usadas isoladamente para tratar um síndrome simples ou obter determinados resultados.

Isto deve-se às suas características, mas está dependente igualmente da complexidade de sintomas apresentados pelo paciente.

Segue-se uma lista de algumas drogas que podem ser usadas isoladamente e os efeitos que pretendem obter:

Ren shen (radix ginseng) usada em grandes doses para recuperar o yang ou tratar colpaso de qi.

Dan shen (radix salviae miltiorrhizae) para eliminar calor, arrefecer o sangue e activar o sangue. Usada quando existe calor que consome o tin e sangue e gera estase de sangue.

Dang gui (angélica sinensis) para nutrir e activar o sangue.

materia médica chinesa

Raciocínio clinico da formulação de prescrições

Como são construídas as fórmulas patenteadas

Tal como acontece na acupuntura tradicional chinesa, não se consegue compreender o raciocínio clínico em matéria médica chinesa sem reconhecer a importância do conceito de microcosmos-macrocosmos.

As fórmulas patenteadas são construídas de acordo com um modelo clínico que se foca no tratamento dos sintomas do paciente mas que expressa os níveis hierárquicos da corte imperial da dinastia Song.

Assim uma fórmula é constituída por:

Droga monarca ou rei – principal droga da combinação tem o efeito clinico mais intenso – maior atividade farmacológica.

Droga ministra ou vassalo – auxilia a monarca através de ações aditivas ou sinérgicas, também pode ter ações noutros órgãos relevantes para a disfunção. Numa desarmonia do fígado a droga vassalo pode atuar na vesícula por exemplo.

Droga assistente ou auxiliar – atividade desintoxicante. Anula os efeitos indesejados de outras drogas da fórmula.

Droga guia ou “servente de entrega” – vai mediar as funções das outras drogas facilitando a sua ação clínica – ajuda as outras drogas a atuarem nas regiões onde devem atuar.

Este é o modelo base de uma fórmula. No entanto existem problemas associados dos quais se podem destacar:

1 – muitas vezes não se sabe exatamente qual é a droga monarca uma vez que algumas fórmulas são construídas a partir da associação de outras fórmulas;

2 – as ações da assistente e da guia podem trocar-se um pouco uma vez que as ações das plantas podem ser englobadas nessas 2 categorias.

A análise de algumas fórmulas simples ajuda a compreender a sua formulação e os problemas associados:

Ma Huang Tang

Ma Huang Tang refere-se à decocção de Efedra e foi uma fórmula referida pela primeira vez no clássico Shang Han Lun (Treatise on Exogenous Febrile Diseases).

É classificada no grupo de prescrições de natureza morna e sabor pungente para aliviar síndromes externos.

Tem como principais ações:

1 – Induz sudação para eliminar factores patogénicos externos

2 – Dispersa o Qi do Pulmão

3 – Pára a asma

As suas principais indicações clinica são:

Vento-frio do tipo excesso: aversão ao frio, cefaleia, febre, tosse, dores generalizadas, dispneia, ausência de sudação, língua com capa fina e branca, pulso tenso e superficial.

É constituída pelas drogas:

1 – Mahuang (Herba Ephedrae) 9g

2 – Guizhi (Ramulus Cinnamomi) 6g

3 – Xingren (Semen Armeniccae Amarum) 6g

4 – Zhigancao (Radix Glycyrrhizae Praeparatae) 3g

A Mahuang (Herba Ephedrae) é a droga monarca. É capaz de induzir sudação eliminado factores patogénicos externos e dispersa o Qi do Pulmão de forma a aliviar a asma.

Guizhi (Ramulus Cinnamomi) é a droga ministra é capaz de dispersar o frio patogénico aquecendo os meridianos.

Xingren é capaz de mover o Qi do Pulmão. É a droga adjuvante que vai ajudar a droga monarca (Mahuang) a eliviar a asma e parar a tosse.

A última droga Zhigancao (Radix Glycyrrhizae Praeparatae) é a droga guia. Tem a função de mediar as propriedades das outras drogas e tonifica o Qi impedindo as drogas monarca e ministra de lesarem o Qi por provocarem uma sudação excessiva.

Mu li san

Descrita pela primeira vez no Taiping Huimin Hejiju Fang (Prescrições benevolentes do Departamento Farmacêutico de Taiping).

Esta prescrição enquadra-se na categoria de prescrições com efeito adstringente e sub-categoria de prscrições para consolidar a superfície e parar sudação.

Tem 3 ações:

1 – Repõe o Qi

2 – Consolida a resistência da superfície

3 – Preserva yin e pára sudação

Tem como principal indicação clínica:

Sudação espontânea, sudação nocturna, sudação constante, palpitações, susceptibilidade ao medo, respiração curta, vexação, língua vermelha, pulso fraco e filiforme.

É constituída pelas drogas:

1 – Huang Qi (radix Astragali seu Hedysari) 30g

2 – Ma Huang Gen (Radix Ephedrae) 30g

3 – Duan Mu Li (Concha Ostrae) 30g

Duan Mu Li (concha Ostrae) é usado como Monarca. Tem capacidade de parar sudação, preservar yin e suprimir o Yang hiperactivo.

A droga Huang Qi (Radix Astragali seu Hedysari) actua como droga ministra. É capaz de fortalecer a resistência do corpo e repõe o Qi para parar a sudação.

A segunda droga Ma Huang Gen (Radix Ephedrae) e a droga para decocção Xiao Mai (Frucrus Tritici Aestivi) servem como adjuvantes. A Ma Huang Gen pára sudação e revigora coração.

Prescrições que aliviam síndromes externos como exemplo de estudo

Da mesma forma que as drogas individuais são catalogadas em categorias especificas que definem os sintomas para os quais essas drogas são usadas, também as prescrições feitas à base dessas drogas se encontram devidamente categorizadas.

Uma dessas categorias corresponde a fórmulas que aliviam síndromes externos.

As prescrições (fórmulas patenteadas) da Matéria Médica Chinesa com capacidade diaforética, induzindo a diaforese, e eliminando os fatores patogénicos externos dos músculos e pele, promovendo as erupções cutâneas e usadas para tratar síndromes externos encontram-se nesta categoria de “prescrições que aliviam síndromes externos”.

Tipos de síndromes externos

Os síndromes externos podem dividir-se em dois tipos principais: vento-frio e vento-calor.

Como tal uma característica comum a todas as prescrições é serem compostas por drogas com sabor pungente pois este sabor dispersa.

Drogas com sabor pungente e natureza morna são usadas para tratar padrões de vento-frio enquanto que as drogas com sabor pungente e natureza fria ou fresca são usadas para tratar padrões de vento-calor.

Drogas que aliviam síndromes externos na Matéria Médica Chinesa

Entre as diferentes drogas existentes para eliminar vento-frio encontram-se: erva efedra/ma huang; ramo de canela/gui zhi, raiz e rizoma de notopterigio/qiang huo, raiz de angélica/bai zhi, flor de magnólia/Xīn yí hūa, entre outras…

Entre as diferentes drogas existentes para eliminar vento-calor encontram-se: hortelâ-pimenta/bo he, fruto da bardana/niu bang zi, folha da amoreira/sang ye, raiz de kudzu/ge gen, entre outras.

Constituição das fórmulas que aliviam síndromes externos

As fórmulas patenteadas de Matéria Médica Chinesa são compostas pelas drogas referidas acima.

Secundariamente podem possuir drogas pertencentes a outras classificações como drogas que ativam o sangue, drogas tónicas de yang, etc…

As fórmulas são construídas de uma forma muito particular e tem formas de preparação próprias.

Por exemplo as prescrições para aliviar síndromes externos não podem ser sujeitas a uma decocção muito prolongada de forma a impedir a dissipação dos princípios ativos das drogas e influenciar negativamente o seu efeito curativo.

Por outro lado o paciente deveria beber a fórmula quando ela se encontra morna e nunca fria e devia aquecer-se a seguir a beber essa fórmula de forma a promover a sudação e assim ajudar a eliminar os fatores patogénicos externos.

Nas próximas linhas vamos encontrar uma lista com informação geral sobre as principais fórmulas que compõem estas 3 sub-categorias de prescrições que aliviam síndromes externos.

1 – fórmulas patenteadas com propriedade morna e sabor picante que aliviam síndromes externos

2 – fórmulas patenteadas com propriedade fresca e sabor picante que aliviam síndromes externos

3 – fórmulas patenteadas que aliviam síndromes externos e fortalecem a imunidade às doenças

Apesar de se manter simples a apresentação das fórmulas, não se pode deixar de salientar imensas especificidades definidas pela complexidade de apresentação de alguns sintomas. Por exemplo, o padrão externo de vento-frio pode apresentar diferente severidades em diferentes pacientes e pode apresentar-se complicado por outros padrões como humidade externa, retenção de fleuma, estase de sangue ou estagnação de qi.

Traduzindo por sintomas… e drogas as prescrições que aliviam síndromes externos

As fórmulas para aliviar síndromes externos são prescritas quando os seguintes sintomas se encontram presentes: sintomas com inicio abruto, aversão ao frio, febre, cefaleia (dor de cabeça), congestão nasal, pulso fraco e flutuante, língua com capa branca.

Estes são os sintomas característicos de vento externo.

A forma de se combater estes sintomas é através da eliminação dos fatores patogénicos externos que se consegue induzindo a sudação.

A caraterística comum a todas estas drogas é possuírem sabor picante.

Os padrões externos podem ainda dividir-se em “tipo excesso” e “tipo deficiência”.

Os de “tipo excesso” podem ser complicados com outros padrões de excesso como humidade, estagnação de qi ou fleuma.

Os de “tipo deficiência” podem ser complicados por padrões de deficiência como o vazio de qi ou o vazio de yang.

Falar-se em padrões externos complicados com outros padrões de excesso indica que existirão outros sintomas além dos sintomas base já mencionados (febre e aversão ao frio, obstrução e corrimento nasal, etc…).

Dor articular que agrava com grandes alterações atmosféricas, sensação de peso, letargia[iii] e edema das articulações associado aos sintomas já mencionados indica agravamento do padrão de Vento por Humidade.

Se um padrão de vento for agravado por um padrão de estagnação de Qi, o paciente também pode apresentar dor tipo distensão, opressão torácica ou sensação de plenitude no peito.

A irritabilidade pode surgir devido à associação de vento com um padrão de calor interno ou com um padrão de estagnação de Qi do Fígado ou pode aparecer distensão abdominal e náuseas devido à estase de alimentos ou rebeldia de Qi do Estômago.

matéria médica chinesa

Variação nas prescrições que aliviam síndromes externos

Existem plantas e prescrições específicas para estas variações semiológicas.

Desta forma adicionam-se drogas para aliviar síndromes externos e drogas que eliminam humidade como rizoma e raiz de notopterigio, raiz de angélica e raiz de ledebouriella para tratar os sintomas de Humidade.

O rizoma e raiz de notopterigio é muito usada para tratar prurido e dor, sintomas associados a padrões de Humidade.

A raiz de angélica é usada no tratamento de carbúnculos e a raiz de ledebouriella é eficaz no alivio da dor de cabeça.

A fórmula patenteada Jiuwei Qianghuo Tang (Decocção dos 9 ingredientes contendo Notopterygium) usa estas 3 drogas. Uma das suas funções é eliminar humidade.

A fórmula Baidu San (pó antiflogistico) usa a droga rizoma e raiz de notopterigio. Umas das suas funções secundárias consiste em eliminar humidade.

Outras drogas são usadas consoante a especificação dos sintomas já mencionados.

Sensação de plenitude torácica devido a estagnação de Qi é aliviada com o Rhizoma Cyperi e Pericarpium Citri Reticulatae.

Irritabilidade por Calor interno é aliviada com as drogas Gypsum Fibrosum ou raiz de solidéu de baical (Huáng Qín), por exemplo.

De notar que no parágrafo anterior as drogas pertenciam todas à categoria de drogas que aliviam síndromes externos, mas drogas mencionadas neste parágrafo já pertencem a outras categorias como reguladoras de Qi ou eliminadoras de calor.

Por seu lado, os padrões exteriores do tipo deficiência manifestam-se quando existe uma resposta defensiva fraca fazendo com que os fatores patogénicos externos entrem na camada wei qi e desequilibrem o wei qi e o ying qi.

Em termos sintomáticos, poder-se-ia traduzir este jargão técnico como sudação noturna, aversão ao vento, pulso superficial e fraco.

Neste caso é necessário regular o wei qi (qi defensivo) e o ying qi (qi nutritivo).

Para isso usam-se as plantas ramo de canela com Radix Paeonniae Alba, por exemplo[i].

Os padrões exteriores do tipo deficiente ainda podem ser complicados por outros padrões como vazio de yang ou vazio de Qi.

Neste caso podem usar-se drogas tónicas do Qi como raiz de ginseng para tratar pulso fraco e astenia (cansaço).

Pode recorrer-se à droga Radix Aconiti Praeparata para tratar extremidades frias ou frio generalizado devido a vazio de yang.

Podem existir outros sintomas como afecções do nível TaiYang (meridianos da Bexiga e Intestino Delgado e que passam pela nuca, uma das regiões afectadas pela invasão de vento externo) e denunciadas por sintomas como rigidez na nuca ou dor e rigidez nas costas. Neste caso pode recorrer-se à droga raiz de kudzu.

Convêm relembrar que além destas drogas também se podem usar drogas com efeitos mais marcados sobre um determinado sintomas de órgão, independentemente do padrão externo ou dos padrões secundários.

Uma vez que falamos de drogas que aliviam síndromes externos convêm referir que alguns dos seus principais sintomas como tosse ou dispneia são eficazmente aliviados com o uso das drogas Semen Armenicae Amarum e Fructus Perillae.

Existe ainda uma outra variação relevante quando se analisam os padrões externos de vento-frio. Já vimos que podem ser complicados por outros padrões de excesso.

No entanto já se tinha mencionado que estes padrões externos também poderiam apresentar diferentes severidades. É agora que se chama a atenção para algo bastante importante.

Num padrão de vento-frio existem dois fatores patogénicos externos: o vento e o frio. Consoante um se encontre em predominância em relação ao outro existem diferenças sintomáticas importantes.

Quando o vento é predominante ao frio considera-se um padrão externo suave e se o frio for mais virulento que o vento considera-se um padrão externo severo.

A diferença sintomática é simples. Está relacionada com a sudação. Se o vento (padrão externo suave) for predominante ao frio o paciente vai apresentar sudação. Se o frio (padrão externo severo) for predominante o paciente vai apresentar ausência de sudação.

Esta diferença sintomática é relevante, na medida que irá condicionar a escolha de drogas que aliviam síndromes externos e das fórmulas patenteadas. erva efedra e ramo de canela são melhores para aquecer e tratam o vento-frio com maior intensidade.

Por seu lado drogas como Bulbus Allii Fistulosi e semente de soja são mais eficazes a tratar os padrões externos suaves onde o vento é predominante ao frio.

futuro da farmacoterapia medicamentos

Diferenciação por padrões mais complexos

Até agora falámos principalmente das variantes do padrão externo de vento-frio: tipo excesso e tipo deficiência, suave e severo.

No entanto a complexidade dos sintomas associados a padrões externos de vento e suas variantes leva a que a análise tenha de se direccionar para outras variantes.

É importante notar que, antes de apresentar textos com as diferentes prescrições, ainda temos de analisar as diferenças sintomáticas entre a sub-categoria de prescrições de natureza fria e pungente para libertar o exterior e prescrições para libertar o exterior e fortalecer a imunidade do corpo.

O sabor picante/pungente é para dispersar e expelir o vento como já mencionado.

Por seu lado a propriedade fria serve para arrefecer.

Logo é para tratar sintomas de calor. Falamos portanto de padrões de vento-calor.

O tratamento destes padrões é complicado uma vez que existem diversas estratégias terapêuticas que podem ser seguidas. Todas essas estratégias são dependentes dos sintomas do paciente.

O vento-Calor pode atacar directamente ou pode surgir em consequência de uma invasão de vento-frio que se transforma em calor dentro do organismo.

Também se pode dever a uma invasão de vento-calor externo com toxinas.

Caso o Vento-Calor ataque directamente vai-se caracterizar pelos seguintes sintomas: sensação de distensão na cabeça, dor de garganta, febre sem aversão ao frio, sudação ligeira com aversão ao vento, congestão das conjuntivas, fotofobia, congestão das conjuntivas, tosse produtiva com expectoração amarela, face vermelha, descargas nasais túrbidas, tonsilite (amigdalite).

Ainda podem existir os seguintes sintomas: hemoptise (sangue proveniente do pulmão), urina escura, pulso rápido e cheio.

O uso de drogas varia consoante a predominância de determinados sintomas.

Se o padrão for vento-calor no wei qi usam-se drogas pungentes e frias como Flos Lonicerae e Fructus Forsythia.

Estas são as principais drogas presentes na fórmula patenteada chinesa Yinqiao San (pó de lonicera e forsitia). Estas drogas eliminam vento-calor e toxinas.

Se o vento-calor afectar o pulmão e afectar a sua capacidade de fazer descer e dispersar o Qi usam-se drogas para eliminar calor e dispersar o Qi do pulmão como Folium Mori e Flos Chrysanthemi.

Estas drogas encontram-se na prescrição Sangju Yin (decocção de folha de amoreira e crisântemo). Esta fórmula tem como acções: expelir vento e calor e dispersar o qi do pulmão para aliviar a tosse.

Se os líquidos orgânicos (jin ye) forem consumidos assim como o yin podem recorrer-se a outras drogas como Radix Ophiopogonis que é tónica de yin.

Por outro lado o vento-frio pode entrar no corpo e tornar-se vento-calor.

Neste caso existe um problema adicional uma vez que temos 2 padrões diferentes a manifestar-se ao mesmo tempo e alguns dos seus sintomas são contraditórios.

Quando isto acontece os canais (jing Luo) dos meridianos Yang são os mais afectados.

Sintomas como febre alta (afecção do yang ming), ligeira aversão ao frio (mistura de sintomas de vento-calor e vento-frio), sabor amargo na boca (afecção do shao yang), boca seca, cefaleia (afecção dos 3 canais yang – yang ming, shao yang, tai yang), dor ocular, nariz seco, língua com capa amarela e seca.

Para tratar este padrão deve dar-se atenção à intensidade dos sintomas de forma a escolher drogas de sabor pungente e propriedades mornas ou frescas.

É esta diferença entre drogas que pode tornar o tratamento mais complexo.

Quando o calor se manifesta em profundidade e afecta os 3 canais yang já mencionados o tratamento deve consistir em duas fases: aliviar o exterior recorrendo a drogas pungentes e frias como Radix Angelicae Dahuricae, Radix Puerariae ou e clarear calor interno com drogas como Radix Bupleuri, Gypsum fibrosum, Radix scutellariae.

Um exemplo prático do uso combinado destas drogas é a prescrição Chai Ge Jie Ji Tang (decocção do bupleurum e da Kudzu para Libertar o Músculo).

Drogas pungentes e frias com capacidade de dispersar o qi do pulmão são usadas quando sintomas como tosse aparecem associados aos sintomas de vento-calor.

Neste caso seleccionamos as drogas Herba Ephedrae, Gypsum Fibrosum e Semen Armeniacae Amarum, por exemplo.

Mais uma vez dá-se atenção a drogas tónicas do yin caso seja consumido pelo Yin. Exemplos eficazes seriam a Radix Rehmanniae e Radix Paeonniae Alba.

Finalmente temos um ataque de vento-calor externo com toxinas. Para um ocidental o mais fácil seria chamar-lhe sarampo.

Os sintomas iniciais do Sarampo indicam um padrão externo: febre, aversão ao frio, erupções cutâneas, tosse, nariz congestionado, pulso rápido e superficial.

As toxinas invadem o corpo provocando o surgimento de novos sintomas como febre, sede, urina escassa e amarela, agitação, tosse, irritabilidade, erupções vermelhas escuras.

Neste último caso deve dar-se atenção tanto à eliminação de factores patogénicos externos como a eliminar toxinas e promover as erupções cutâneas.

Várias drogas podem ser usadas como Radix Cimicifugae, Fructus Arctii, Periostracum Cicadae, Radix Platicody, etc…

Existem duas prescrições que aliviam síndromes externos representativas: Sheng Ma Ge Gen Tang (Decocção da Cimicifuga e da Kudzu) e Zhu Ye Liu Bang Tang (Decocção Lopateri-tamarix-arctium).

Finalmente existe a última sub-categoria que descreve as prescrições para libertar o exterior e fortalecer a imunidade às doenças.

Estas prescrições são aconselhadas quando existe invasão de factores patogénicos externos e deficiência do wei qi.

Neste caso os padrões externos tanto podem ser vento-frio como vento-calor e os padrões de deficiências tanto podem ser relativas ao yin, yang, sangue ou qi.

Existem algumas relações mais bem estabelecidas entre eles: é comum o vento-frio-humidade invadir mais facilmente um paciente com vazio de qi ou yang.

Por seu aldo é mais comum um padrão de vento-calor atacar um paciente com vazio de yin.

No caso de vento-frio com vazio de qi ou vazio de yang deve-se usar drogas que eliminam vento-frio (pungentes e mornas) e drogas que tonificam o yang ou o qi (mornas e doces). A sua dosagem vai depender da intensidade dos sintomas.

Drogas mornas e picantes para eliminar vento-frio como Herba Ephedrae ou Ramulus cinnamomi devem ser usadas para eliminar vento-frio.

Para suplementar o yang usam-se drogas como Cortex cinnamomi e para tonificar o qi usam-se drogas como Radix Ginseng.

Como referido em pacientes com vazio de yin ou sangue a invasão por padrões externos de vento-calor é mais comum.

Neste caso associa-se drogas pungentes e frias como Herba Menthae ou Radix Puerariae para eliminar vento-calor e drogas tónicas de yin como Rhizoma Polygonati Odorati, Radix Ophiopogonis ou Radix Adenophorae para nutrir o yin ou drogas tónicas de sangue como Radix Angelicae Sinensis para nutrir o sangue.

Prescrições que aliviam síndromes externos como Jia Jian Wei Rui Tang (Decocção do polygonatum odoratum Modificada) e Cong Bai Qi Wei Yin (Decocção de cebola com sete ingredientes) são exemplos de fórmulas patenteadas chinesas para tratar estes padrões.

Exemplos de fórmulas patenteadas com propriedade fresca e sabor picante para aliviar síndromes externos

Sang ju Yin (decocção de folhas de amoreira e flor de crisântemo) descrita pela primeira vez na obra Wen Bing Tiao Bian (Detailed Analysis of Seasonal Febrile Diseases). Tem como acções expelir vento e calor, dispersar o qi do pulmão para aliviar tosse sendo constituída por 8 drogas.[i], [ii], [iii].

Yin Qiao San (Pó de Lonicera – madressilva – e Forsitia) descrita no livro Wen Bing Tiao Bian (Detailed Analysis of Seasonal Febrile Diseases) tem como acções clinicas libertar o exterior e induzir a sudação, eliminar calor e toxinas. É constituída por 9 drogas.[iv], [v], [vi].

Sang Xing Tang (Decocção de folhas de amoreira e amendoeira) foi descrita pela primeira vez na obra Wen Bing Tiao Bian (Detailed Analysis of Seasonal Febrile Diseases) e tem como funções dispersar calor-secura para dispersar o Qi do pulmão, lubrificar o pulmão para aliviar tosse. É composta por 7 drogas[vii], [viii].

Ma Huang Xin Ren Gan Cao Shi Gao Tang (Decocção de efedra, amendoeira, licorice e gypsum) foi descrita pela primeira vez na obra Shang Han Lun (Treatise on Exogenous Febrile Diseases) e tem como funções dispersar calor do pulmão e aliviar tosse e asma. É consituída por 4 drogas.[ix].

Chai Ge Jie Ji Tang (Decocção do Bupleurum e Kudzu para libertar o músculo) descrita na obra Shang Han Liu Shu é constituída por 8 drogas e tem como funções: expelir factores patogénicos externos do músculo e pele e eliminar calor[x], [xi].

Ma Xing Shi Gan Tang (Decocção de efedra-prunus-gypsum-glicirriza)[xii] tem como acções eliminar calor do pulmão, dispersar o qi do pulmão para aliviar a tosse e a asma. Pode ser usada para tratar vento-calor ou vento-frio que se transforma em vento-calor[xiii]. É constituída por 4 drogas.

Shen Ma Ge Gen Tang (Decocção da Cimicifuga e Kudzu)[xiv] é uma prescrição com 3 funções prinicpais: acalmar a comichão, libertar o exterior e promover a erupção de erupções cutâneas. É composta por 4 drogas[xv].

Zhu Ye Liu Bang Tang (Decocção lopateri-tamarix-arctii)[xvi] é uma fórmula patenteada que liberta o exterior e promove as erupções cutâneas, regula pulmão e estômago.

Zheng Chai Hu Yin (Forma correctiva) descrita na obra Jin Yue Quan Shu (AD 1624) tem como acções libertar o exterior e harmonizar o yin qi (qi nutritivo). É composta por 6 drogas[xvii].

[i] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 50.

[ii] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[iii] Beijing University of Traditional Chinese Medicine, The Chinese Matéria Médica, pág. 374.

[iv] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 52.

[v] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[vi] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 38.

[vii] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 54.

[viii] Beijing University of Traditional Chinese Medicine, The Chinese Matéria Médica, pág. 374.

[ix] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 55.

[x] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[xi] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 36-37.

[xii] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[xiii] http://www.tcmassistant.com/search/index.asp

[xiv] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[xv] http://www.tcmassistant.com/search/index.asp

[xvi] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 115.

[xvii] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 39.

Exemplos de fórmulas patenteadas com propriedade morna e sabor picante para aliviar síndromes externos

Ma huang tang (decocção de efedra) descrita pela primeira vez no Treatise On Exogenous Febrile Diseases. Esta fórmula induz a sudação e ajuda a dispersar o Qi do Pulmão aliviando a asma. É composta por 4 drogas[i], [ii]. É usada no tratamento de vento-frio do tipo excesso[iii].

Gui zhi tang (decocção do galho da cassia) descrita pela primeira vez no Treatise On Exogenous Febrile Diseases. Esta fórmula elimina factores patogénicos externos da pele e muscúlos e regula o yin qi (qi nutritivo) e wei qi (qi defensivo) de forma a aliviar síndromes externos. É composta por 5 drogas[iv], [v], [vi]. É usada no tratamento de vento-frio do tipo deficiência[vii].

Xiang Ru San (pó de elshotziae) descrita pela primeira vez na obra Benevolent Prescription From Taiping Pharmaceutical Bureau. Esta fórmula alivia síndromes externos e dispersa frio, elimina humidade e restaura a função do aquecedor médio. É composta por 3 drogas[viii]. Zhixian refere que esta prescrição é particularmente útil durante o calor do verão[ix].

Xing Su San (pó de amêndoas e perilla) descrita na obra Wen Bing Tiao Bian (Detailed Analysis os Seasonal Febrile Diseases). Esta fórmula é indicada para eliminar frio-secura, dispersar o qi do pulmão e resolver fleuma. É composta por 11 drogas[x], [xi], [xii].

Jiu Wei Qiang Huo Tang (decocção dos 9 ingredientes contendo notopterygium) descrita na obra Ci Shi Nan Zhi (Difficult Medical Problems). Tem como função induzir a diaforese, eliminar humidade e clarear calor interno[xiii]. É composta por 9 drogas[xiv], [xv].

Xiao Qing Long Tang (decocção do pequeno dragão azul[xvi]) descrita pela primeira vez na obra Treatise on Exogenous Febrile Diseases. Esta fórmula tem como acções: expelir frio e os factores patogénicos externos, aquecer o pulmão e resolver retenção de fluidos. É composta por 8 drogas[xvii], [xviii]. Esta prescrição aquece o pulmão e é mais aconselhada em padrões de vento-frio externo (tosse, dispneia) com humidade-mucosidade (expectoração profusa).

Da Qing Long Tang (Decocção do Grande Dragão Verde-azul). Esta prescrição é mais aconselhada para libertar o exterior  eliminar o calor interno com sintomas como sede, agitação e irritabilidade.[xix].

Zhi Sou San (pó para aliviar tosse) descrita pela primeira vez na obra A Summary on Medicine from Clinical Practice. Sendo usada para expelir vento, dispersar o qi do pulmão, aliviar tosse e eliminar fleuma contêm na sua composição 7 drogas[xx].

Cang Er Zi San (forma que desobstrói tudo) descrita pela primeira vez no livro Ji Sheng Fang. Tem como acções abrir o nariz obstruído e expelir vento e frio. É composta por 4 drogas[xxi], [xxii].

Chuan Xiong Cha Tiao San (forma wallichi) descrita pela primeira vez na obra Tai Ping Hui Min He Ji Ju Fang tem como funções aliviar a dor e dispersar vento-frio. É composta por 7 drogas[xxiii]. Esta droga é um exemplo perfeito do que se escreveu sobre padrões externos de vento-frio agravados com padrões de excesso.

Cong Chi Tang (Decocção de cebola e soja preparada)[xxiv], descrita pela primeira vez na obra Zhou Hou Bei Ji Fang é usada para eliminar vento-frio suave e tem na sua composição 2 drogas[xxv].

[i] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 35.

[ii] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[iii] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 369.

[iv] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 36, 37.

[v] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 33-34.

[vi] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[vii] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 369.

[viii] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 39.

[ix] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 380.

[x] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 41.

[xi] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[xii] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 381.

[xiii] Neste caso deve fazer referência a sabor amargo na boca, um sintoma caracteristico da invasão de calor interno no shao yang. De resto a fórmula é para vento-humidade-frio. Zhixian, po exemplo refere o sintoma de boca amarga mas não refere calor interno.

[xiv] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 43.

[xv] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[xvi] Na Obra de Li Fei (tradução brasileira) aparece traduzida como dragão verde. Na obra Science of prescriptions (edição bilingue chinês-inglês) surge como dragão azul.

[xvii] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 44.

[xviii] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[xix] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[xx] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 46.

[xxi] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 35.

[xxii] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 359.

[xxiii] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 42.

[xxiv] Li Fei, Chen Song Yu; Guia Clinico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa, pág. 114.

[xxv] The Chinese Materia Medica; Beijing University of Tradicitional Chinese Medicine, pag. 360.

Exemplos de prescrições para Libertar o Exterior e Fortalecer o Sistema Imunitário

baidu san (pó antiflogistico) descrita pela primeira vez na obra Key to Therapeutics of Children´s diseases. Tonifica o Qi e alivia síndromes externos, expele frio e humidade. É composta por 10 drogas[i].

Shen Su Yin (Forma de resistência) descrita na obra Tai Ping Hui Min He Ji Ju Fang (AD 1078-1085) tem como funções libertar o exterior, tonificar o Qi, dispersar o Qi do Pulmão e resolver fleuma. É constituída por 10 drogas[ii].

[i] Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine, pág. 48-49. Esta prescrição foi classificada pelos autores como eliminadora de vento-frio. No entanto os autores desta obra só usaram 2 subcategorias nomeadamente: prescrições pungentes e frias para aliviar síndromes externos e prescrições pungentes e mornas para aliviar síndromes externos. Não usaram a terceira subcategoria de prescrições que eliminam factores patogénicos externos e fortalecem o sistema imunitário. Esta fórmula fica dentrod esta última classificação.

[ii] Ou Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 340-41.

Tipos de drogas na Matéria Médica Chinesa

Drogas que aliviam síndromes externos

matéria médica chinesa

As drogas que aliviam síndromes externos também podem ser consideradas como drogas diaforéticas pois induzem a sudação.

A indução da sudação é uma forma de dispersar e eliminar os factores patogénicos externos que atacam o organismo.

Costumam ser todas de sabor picante que ajuda à dispersão dos fatores patogénicos externos e actuam no meridiano do pulmão, devido à ligação deste órgão (zang) com o qi defensivo (wei qi).

Neste caso considera-se que a doença ainda se encontra à superfície do corpo. Por isso diz um velho ditado chinês: “Quando [a doença] se encontra na pele, a transpiração trá-la para fora”.

As suas naturezas podem alterar entre quentes ou frias.

Drogas de sabor picante e natureza quente são usadas para tratar padrões de vento-frio (picante + quente), enquanto que drogas de sabor picante e natureza fria são usadas para tratar padrões de vento-calor (picante + frio).

No caso de drogas de natureza morna e sabor picante diz-se que induzem a sudação e eliminam vento-frio.

No caso de drogas de natureza fria e sabor picante diz-se que induzem a sudação e eliminam vento-calor.

Secundariamente, estas drogas, podem promover:

1 – a redução dos edemas através da transpiração ou da micção;

2 – eliminação de erupções cutâneas promovendo a erupção das pápulas, por exemplo (desintoxicação);

3 – aliviar tosse e asma através da dispersão (sabor picante) do qi;

4 – aliviar dor (sintoma muito comum na invasão de vento-frio ou vento-calor) através da dispersão do qi.

Contra-indicações das drogas diaforéticas

Uma vez que são drogas diaforéticas encontram-se contra-indicadas em padrões clínicos caracterizados pela perda de líquidos orgânicos como a sudação profusa no vazio de yang ou a sudação nocturna no vazio de yin ou em casos de hemorragias ou desidratação.

Por outro lado, não devem ser tomadas durante muito tempo e em grandes quantidades pois o excesso de sudação danifica os líquidos orgânicos ou leva mesmo ao consumo do yang qi.

Categorias de drogas diaforéticas

Na categoria de drogas diaforéticas que eliminam vento-frio temos: erva efedra, ramo de canela, erva-de-gato japonesa, gengibre selvagem chinês, folha de manjericão chinês ou alfavaca, Radix Ledebouriellae, raiz de angélica, flor de magnólia, rizoma de gengibre fresco, Herba Elscholtziae seu Moslae, fruto do cardo da sibéria.

Na categoria de drogas diaforéticas que eliminam vento-calor temos: hortela-pimenta, flor de crisântemo, Raiz de Kudzu, Raiz de orelha de lebre, fruto da bardana, carapaça de inseto, semente fermentada de soja, rizoma de cimicifuga, folha da amoreira.

Drogas purgativas ou drogas que eliminam por afundamento

Drogas que promovam o relaxamento intestinal ou a diarreia são chamadas de drogas purgativas. Também se podem classificar como drogas que “drenam puxando para baixo”

Consoante a sua força purgativa, as drogas purgativas, podem dividir-se em 3 grupos distinctos:

1 – drogas purgativas;

2 – drogas laxativas;

3 – drogas hidragogas.

Em termos de funções clínicas pode afirmar-se que as drogas purgativass:

1 – relaxam os intestinos;

2 – eliminam padrões de estagnação;

3 – eliminam padrões de calor;

4 – reduzem edemas.

Como tal os principais sintomas que elas pretendem tratar são obstipação devido a padrões de estagnação ou calor, edema, distensão abdominal.

No fundo utilizam a sua capacidade de promover a defecação para eliminar o calor, a acumulação de água ou padrões de estagnação.

Em termos de medicina chinesa, as drogas purgativas, são possuidoras de características próprias como:

1 – natureza fria

2 – sabor amargo

3 – funções de interiorizar e baixar.

As principais funções das drogas purgativas consistem em:

1 – relaxar os intestinos e eliminar calor.

2 – São extremamente eficazes no tratamento de padrões de estagnação de alimentos no estômago e intestinos e para tratar obstipação associada a padrões de calor (acompanhada por febre, obstipação, fezes secas, sensação de calor nos intestinos e estômago, aversão a alimentos quentes, preferência por bebidas frias, etc…).

Estas drogas tem de ser usadas com muito cuidado em idosos devido à sua natureza fria e sabor amargo.

Os doentes mais idosos tem padrões de deficiência severos e o uso destas plantas prejudica o Qi o que agrava esses padrões.

As seguintes drogas estão classificadas como purgativas: Natrii Sulphas, Folium Cassiae, herba aloes, raiz e rizoma de ruibarbo.

As laxativas, por seu lado, possuem, geralmente, uma natureza neutra e um sabor doce.

Possuem características purgativas e ainda conseguem amolecer as fezes, daí o seu nome laxativas.

São usadas preferencialmente para pacientes com fezes secas, obstipação devido a vazio de yin e ou vazio de sangue.

O seu sabor doce indica a sua utilização em padrões de vazio como os mencionados atrás.

As seguintes drogas estão classificadas como laxativas: semente de maconha, semente de cereja de arbusto.

Finalmente as drogas hidragogas.

Estas drogas têm um efeito purgativo extremamente forte e são tóxicas pelo que o seu uso deve ser muito cuidado.

Eliminam os factores patogénicos através das fezes e da urina mas o seu efeito forte pode provocar diarreias exageradas.

Como mencionado algumas também estimulam a micção pelo que podem ser usadas no tratamento da scite ou edemas.

O seu efeito muito forte induz a necessidade de ter cuidado com o seu uso (dosagem, administração e contra-indicações).

As seguintes drogas purgativas estão classificadas como hidragogas: Radix Euphorbia Kansui, Flos Genkwa, Radix Phytolaccae, Radix Euphorbiae seu Knoxiae, Sémen Pharbitidis, Sémen Croton Tiglii.

Também se deve prestar atenção a diferentes combinações de padrões clínicos que podem interferir na nossa escolha de drogas.

No uso de purgativas devemos ter em atenção a existência conjunta de padrões internos e externos.

Neste caso deve-se procurar tratar os 2 ou então eliminar primeiro o padrão externo e depois tratar o interno.

Na presença de padrões internos de excesso acompanhados de padrões internos de vazio de Qi deve-se dar atenção à eliminação da plenitude e tonificação do Qi.

O uso isolado de plantas purgativas ou hidragogas com padrões de vazio de Qi podem agravar este último.

Drogas que regulam o sangue

No seio das patologias de sangue existem 3 categorias principais na classificação das drogas que regulam o sangue.

Estas podem categorizar-se como hemostáticas (páram hemorragias), drogas que eliminam a estase de sangue (movem o sangue) e drogas tónicas do sangue.

Regra geral as drogas tónicas do sangue são estudadas na categoria das drogas tónicas (que se podem dividir em tónicas de yang, tónicas de yin, tónicas de Qi e tónicas de sangue).

Não fugiremos à regra e deixaremos para outro texto a análise destas drogas.

Drogas que regulam o sangue: hemostáticas

As drogas hemostáticas são aquelas que mostram uma grande capacidade em parar as hemorragias.

Estas drogas são classificadas mais pelo sintoma do que pelos padrões clínicos.

São importantes no tratamento de queixas como metrorragias, hemoptises, epistaxis, hematemeses, menorragias, hemorragias rectais, etc…

Dentro desta categoria encontramos drogas que param hemorragia por plenitude calor no sangue, por estase de sangue ou por possuírem efeito de adstringência.

Dentro das drogas que param a hemorragia eliminado calor do sangue temos a Herba Seu Radix Cirsii Japonici (usada no tratamento das hemoptises  – sangue proveniente do pulmão – e hematemeses – vómitos de sangue-), Herba Cephalanoploris (para a presença de hematúria – sangue na urina-), Radix Sanguisorbae (muito aplicada na desinteria com sangue), Flos Sophorae (primordial no tratamento de hemorróides hemorrágicas), etc…

Outras drogas como o Rhizoma Bletillae (importante no tratamento de várias hemorragias), Herba Agrimoniae (tuberculose pulmonar) e Nodus Nelumbinis Rhizomatis, entre outras, param as hemorragias por efeito de adstringência.

Outras drogas que regulam o sangue

Outros exemplos possíveis seriam o Radix Notoginseng e o Radix Rubiae que param hemorragias através da mobilização do sangue, ou seja, na presença de um padrão de estase de sangue.

Por seu lado, o Folium Artemisiae Argyi estanca as hemorragias em padrões de vazio e frio pois tem propriedades de aquecimento.

Drogas que regulam o sangue: estase de sangue

Finalmente temos a categoria de drogas que eliminam os padrões de estase e ativam o sangue.

A grande diferença entre estas drogas e as drogas anteriores que moviam o sangue é que estas não são usadas necessariamente para o tratamento de problemas hemorrágicos.

Entre os principais problemas contam-se problemas menstruais, massas abdominais (conhecidas como zhengjia. Zheng refere-se a massas abdominais fixas, duras e palpáveis e  jia refere-se a massas visiveis e móveis), abcessos e úlceras ou dor.

A dor por estase de sangue caracteriza-se por ser uma dor tipo facada, que melhora com movimento, agrava com pressão e à noite.

Nesta categoria encontramos drogas como Rhizoma Ligustici Chuanxiong, Radix Salviae Miltiorrhizae, Herba Leonuri, Flos Carthami, Sémen Persicae e Radix Curcumae, entre outras.

O Rhizoma Ligustici Chuanxiong elimina dores por estase de sangue e intervêm em diversos problemas menstruais como amenorreia ou dismenorreia derivados deste padrão clínico.

A sémen persicae é usada no tratamento de abcessos e também usada em problemas menstruais com diagnóstico de estase de sangue.

materia médica chinesa

Drogas que eliminam vento-humidade ou anti-reumáticas

As drogas que eliminam vento-humidade são conhecidas atualmente pela designação de anti-reumáticas (ia)

Esta designação não é a mais correta pois os padrões de vento-humidade podem estar associados a doenças reumáticas ou não.

No entanto, os seus principais sintomas são muito semelhantes.

As drogas que eliminam vento-humidade são usadas no tratamento de padrões de dor que se podem dividir em 4 tipos principais:

(1) o padrão de vento é caraterizado pela presença de dor móvel,

(2) o padrão de frio é caracterizado pela presença de dor intensa, fixa e sensível ao frio com mobilidade reduzida,

(3) o padrão de humidade é caracterizado por dor muito localizada nas articulações acompanhada de sensação de peso e agravamento da dor com movimento podendo ainda estar presente edema local ou sensação de dormência e

(4) o padrão de calor caracterizado pela presença de dor com aversão ao calor, preferência pelo frio, pele vermelha e quente ao toque.

Drogas que eliminam vento-humidade e síndromes BI

Estas diferenciações são conhecidas em medicina chinesa como síndromes BI.

Podem existir em separado mas o normal é uma associação das mesmas.

Um paciente com humidade calor vai apresentar um somatório dos sintomas expostos para os 2 padrões.

A prevalência de determinados sintomas indicará qual o padrão dominante.

Isto também indica que as diferentes drogas irão possuir propriedades diferentes.

A maioria é caraterizada por uma natureza morna e sabores picante e azedo.

Outras possuem uma natureza neutra ou fria que lhes permite um efeito clínico revelador no tratamento de padrões de calor.

Dentro da esfera de sintomatologia clínica elas podem ser usadas para tratar dor aguda ou crónica (aspecto relevante para a selecção de drogas em medicina chinesa), hemiplegias, fortalecimento muscular, espasmos musculares e fraqueza do fígado e rim (que tem implicações a nível dos músculos).

É devido a esta vasta gama de acções que não se pode considerar totalmente correcta a designação de anti-reumáticas.

O reumatismo é uma doença da medicina ocidental e a classificação de eliminadoras de vento-humidade engloba outras patologias além das fronteiras do reumatismo.

A diferenciação de dor aguda ou crónica é relevante pela forma em que as drogas devem ser tomadas.

Nos casos de dores crónicas aconselha-se o uso de tinturas ou pó para uso prolongado.

Também é possível combinar estas drogas com outras drogas.

Assim, no tratamento da dor é comum o uso conjunto de drogas que eliminam vento-humidade com drogas que movem o sangue e eliminam a estase de sangue.

Drogas que nutrem o yin e o sangue podem combinar-se pois as drogas eliminadoras de vento-humidade tem capacidade de lesar o yin e o sangue.

A raiz de angélica pubescente e a raiz de genciana são exemplos de drogas usadas neste tipo de problema.

No entanto a primeira é de natureza morna e a segunda de natureza fria.

A radix Gentinae Pubescentis pode ser usada em pacientes com calor por vazio de yin, por exemplo.

Outros como o fructus chaenomelis, Córtex Erythrinae, Córtex Acanthopanacis, Ramulus Mori Albae, fezes de bicho de seda, Caulis Piperis Futokadsurae, Agkistrodon seu Bungarus também se encontram na categoria apresentada.

Drogas tónicas

Por drogas tónicas na Matéria Médica Chinesa compreendem-se todas as drogas que fortalecem um órgão ou parte do organismo que se encontre debilitada.

Por drogas tónicas na Matéria Médica Chinesa compreendem-se 4 categorias principais: tónicas do sangue, tónicas do Qi, tónicas do Yin e tónicas do Yang.

Apesar de serem categorias separadas é muito comum combinarem-se estas drogas da Matéria Médica Chinesa.

Quando escrevi sobre o diagnóstico tradicional chinês, abordei as diferenças sintomáticas entre os diferentes padrões clínicos.

Foi possível, na altura observar que um vazio de Qi pode agravar para o vazio de Yang. Neste caso é normal associarem-se drogas tónicas do Qi e Yang.

Quando analisamos a dinâmica da relação dos órgãos, tal como expressa na medicina tradicional chinesa (MTC), podemos observar que o Baço produz o sangue.

Logo um Vazio de Qi do Baço pode gerar um Vazio de Sangue do Fígado. Neste caso é útil associarem-se drogas tónicas do Qi com tónicas do Sangue.

Drogas tónicas de Qi

As drogas tónicas de qi, geralmente, apresentam uma natureza morna e sabor doce e atuam, principalmente, nos meridianos do Baço e Pulmão.

Estes são os órgãos mais importantes para a produção de Qi.

Chamo a atenção para a diferença semiológica entre o vazio de Qi e o colapso ou afundamento de Qi. Estas drogas tratam as 2 variantes do Vazio de Qi.

Entre as diversas drogas encontramos: Radix Ginseng (ginseng americano), Radix Codonopsis Pilosula, Radix Panacis Quinquefolii, Radix Astragali seu Hedysari, Rhizoma Atractylodes Macrocephalae, Radix Glycyrrhizae, Rhizoma Dioscorae, Fructus Ziziphi Jujubae, etc…

Drogas que suplementam o Yang

As drogas de Matéria Médica Chinesa que suplementam o yang possuem uma natureza morna ou quente, sabor doce e salgado.

Possuem grande acção sobre o meridiano do Rim.

O seu uso prolongado pode afectar o Yin, desencadeando padrões de vazio de Yin, ou pode criar padrões de fogo patogénico.

Alguns exemplos de drogas que suplementam o Yang seriam: Cornu Cervi Pantotrichum, Rhizoma Curculiginis, Sémen Ouglandis, Fructus Psoraleae, Cordyceps Chinensis , Radix Morindae Officinalis. Etc…

matéria médica chinesa

Drogas que nutrem o sangue

Na Matéria Médica Chinesa, as drogas tónicas de sangue também apresentam uma natureza morna e sabor doce.

Regra geral tem capacidade de tonificar os líquidos orgânicos; daí a sua importância como tónicas de sangue.

Algumas podem apresentar propriedades diferentes, como a natureza fria. Isso deve-se à sua acção que influencia o sangue e o yin.

Entre as diferentes drogas tónicas do sangue encontramos a Radix Rehmanniae Praeparata, Radix Poligony Multiflori, Radix Paeonniae Alba, Radix Angelica Sinensis (ginseng feminino), Arillus Longan, etc…

Drogas que tonificam o Yin

Na Matéria Médica Chinesa, as tónicas de Yin apresentam um sabor doce (típico de todas as drogas com capacidade de tonificação) e uma natureza fresca ou fria.

Tanto conseguem eliminar calor como produzir líquidos orgânicos.

Uma vez que o vazio de yin é caracterizado por sintomas e sinais clínicos de calor e não esquecendo que uma das consequências do Vazio de Yin do Fígado é a Subida de Yang do Fígado, estas drogas costumam ser combinadas com drogas eliminadoras de calor e drogas com capacidade de acalmar o Yang do Fígado.

Entre as diversas drogas é possível encontrar o Radix Ophiopogonis, Fructus Ligustru Lucidi, Herba Ecliptae, Fructus Lycii, Rhizoma Poligonari Odorati, Radix Adenophorae Strictae, Plastrum Testudinis, etc…

Drogas calmantes

Como o nome indica estas drogas têm acção de acalmar a mente, sendo indicadas, em pacientes com sintomas de foro mental como irritabilidade, insónia, ansiedade, etc…

Existem 2 categorias principais neste grupo de drogas:

(1) drogas que acalmam a mente – tranquilizadoras sedativas – e

(2) drogas tónicas do coração que acalmam a mente – tranquilizadoras tónicas do coração –.

As drogas que acalmam a mente são minerais ou conchas como a hematite, osso de dragão, concha de ostra, magnetitum, fluoritum.

A sua função tradicional deve-se ao peso e densidade destes materiais.

Eles tem a função de pesar sobre o coração (palpitações com ansiedade, irritabilidade, insónia, etc…) e o fígado (cefaleia, tonturas, alterações emocionais, grandes estados de irritabilidade, etc…).

Outros sintomas como epilepsia e convulsões também são tratados por estas drogas.

Além de propriedades pesadas possuem natureza fria o que os torna muitos usados em padrões de calor.

Estas drogas também possuem acção sobre o Pulmão, no tratamento da tosse, e sobre o estômago no tratamento da rebelião do qi do Estômago (vômitos, náuseas, etc…).

No entanto a sua acção sobre o estômago é limitada uma vez que estes minerais são tóxicos.

Eles não podem ser tomados durante longos períodos com risco de prejudicar o Baço e o estômago.

Em caso de uso prolongado devem ser combinadas com drogas tónicas do Baço e Estômago, de forma a proteger estes 2 órgãos.

As drogas que tonificam o coração e acalmam a mente são usadas no tratamento de palpitações com ansiedade ou outros problemas mentais e tem a função de nutrir o Yin, o Qi e o Sangue.

São, como tal, usadas no tratamento de padrões de deficiência e não de plenitude.

Ao contrário das anteriores não são maioritariamente minerais mas sim sementes de plantas.

Entre as várias drogas encontra-se: frusta ferri, sémen biotae orientalis, radix poligalae tenuifoliae, caulis polygoni multiflori, etc…

Este conjunto de drogas calmantes costuma associar-se a outras drogas de forma a intervir mais eficazmente em alguns padrões clínicos.

Assim sendo, em padrões de calor (fogo) no coração, onde os sintomas de calor se associam a sintomas psicológicos podem ser tratados recorrendo a drogas tranquilizantes e drogas eliminadoras de calor com tropismo para o canal do coração.

Hiperactividade de yang do fígado com sintomas psicológicos é tratada recorrendo a drogas calmantes e drogas que acalmam o yang do fígado.

Em padrões de vento do fígado a combinação das drogas calmantes é feita com drogas que eliminam vento ou anti-convulsivas.

Nos padrões de deficiência as drogas calmantes associam-se às drogas tónicas (qi, yin, yang, sangue). 

Drogas que eliminam calor

Na Matéria Médica Chinesa, a característica comum às drogas que eliminam calor, encontra-se na sua natureza.

As drogas que eliminam calor possuem natureza fresca ou fria.

As pequenas diferenças indicam a severidade de sintomas que cada uma consegue tratar.

As drogas que eliminam calor também se podem classificar como antipiréticas.

Além das suas indicações gerais também é importante levar em linha de conta o seu tropismo.

As drogas Herba Houttuyniae e Rhizoma Belamcadae eliminam calor do pulmão e são usadas no tratamento das orofaringites, enquanto que as drogas Herba Portulacae e Radix Pulsatillae eliminam calor dos intestinos e são usadas no tratamento de diarreia e desinteria.

Por eliminar calor compreende-se: eliminar calor, eliminar calor do sangue, desintoxicar, eliminar calor por vazio.

Estas diferenças são importantes, uma vez, que estão associadas a sintomas específicos.

Não os reconhecer pode implicar um tratamento de medicina chinesa que não tem resultados suficientemente bons para o paciente ou outro tratamento com resultados maus para o paciente.

A sintomatologia clínica mais comum associada a este tipo de drogas consiste em doenças febris, infecções supurativas, desinteria por padrões de calor, sinais de secura acompanhados de calor, etc…

Classificação na Matéria Médica Chinesa

Na Matéria Médica Chinesa, de acordo com a sua natureza e sabor podemos dividir as drogas que eliminam calor em várias categorias:

(1) eliminam calor e purgam o fogo (Plenitude Calor),

(2) eliminam calor e secam humidade,

(3) eliminam calor e refrescam o sangue, eliminam calor e desintoxicam,

(4) eliminam calor por padrões de deficiência (Vazio de Yin).

Drogas que eliminam calor e purgam fogo

As drogas que eliminam calor e purgam o fogo (Plenitude Calor) possuem natureza fresca ou fria (elimina calor) e sabor amargo (elimina calor) ou sabor doce.

Estes fitoterápicos são usados para eliminar calor do sistema qi (os fatores patogénicos externos entraram em profundidade afectando principalmente o pulmão, estômago e intestinos).

Os principais sintomas e sinais clínicos são: febre elevada, sem arrepios, sede excessiva, sudação excessiva, irritabilidade, delírio, loucura, urina escura, obstipação, face vermelha, pulso cheio e forte e rápido, língua vermelha com capa amarela e seca.

Exemplos de drogas que eliminam calor nesta categoria são: Gypsum Fibrosum, Rhizoma Anemarrhenae, Fructus Gardeniae, Rhizoma Phragmitis, Radix Trichosantis, Folium Phyllostachyos, Herba Lophateri.

Drogas que eliminam calor e secam humidade

As drogas que eliminam calor e secam humidade possuem natureza fria (elimina calor) e sabor amargo (elimina humidade).

Os seus padrões clínicos podem manifestar-se por: sabor amargo na boca, icterícia, diarreia e desinteria, sensação de calor e peso no corpo, distensão e sensação de peso no peito, língua vermelha com capa amarela, espessa e pegajosa, pulso rápido e deslizante.

Exemplos de drogas nesta categoria são: Radix Scutellariae, Rhizoma Coptidis, Radix Gentianae, Córtex Phellodendri, Radix Sophorae Flavescentis. Outros exemplo de drogas que eliminam calor e humidade seriam Herba Hedyotidis Diffusae, Herba Scutellaeriae Barbatae e Rhizoma Smilacis Glabrae.

Estas útlimas tem acção contra a sífilis e o cancro.Materia medica chinesa12

Drogas que eliminam calor e refrescam o sangue

Drogas que eliminam calor e refrescam o sangue possuem uma natureza fria  ou fresca e podem apresentar vários sabores como doce, salgado e amargo.

As suas funções consistem em eliminar calor patogénico dos sistemas ying (nutritivo) e xue (sangue).

Entre os vários sintomas encontramos: máculas e outras erupções cutâneas devido a calor no sangue, hemorragias (epistaxis, melenas, hemoptises, hematemeses, etc…), agitação física e psíquica, delirium, língua vermelha escura e seca, pulso cheio e rápido.

Exemplos de drogas nesta categoria são: Cornu Rhinoceri Asiatici, Calculus Bovi, no tratamento da convulsão e coma; Radix Rehmaniae, Radix Scrophulariae, Radix Paeoniae Rubra, Córtex Mountain Radicis no tratamento de problemas hemorrágicos.

Mais especificamente, no nível ying encontramos os sintomas: febre mais marcada ao fim do dia ou à noite, insónia, delírio ocasional, irritabilidade, petéquias na pele.

No nível xue (sangue) encontramos os sintomas: febre elevada, insónia, mania, delírio, hemorragias, coma, espasmos musculares e tremores.

Exemplos de drogas que eliminam calor, refrescam o sangue e tem acção sobre a pele são: Folium Isatidis, Radix Isatidis, Índigo Naturalis.

Drogas que eliminam calor e desintoxicam

Drogas que eliminam calor e desintoxicam são particularmente indicadas para o tratamento de pápulas, carbúnculo, doenças febris epidémicas, infecções piogénicas, inchaços, erisipelas, outros tipos de erupções cutâneas, inchaço e dor de garganta, desinteria, etc…

De acordo com a sua especificidade clínica elas ainda se podem dividir em sub-grupos:

(1) drogas para doenças febris particularmente quando estas se encontram nas fases wei (defensiva) e qi. Também possuem uma natureza fria e sabor amargo,

(2) drogas para lesões dérmicas tóxicas no combate a lesões dérmicas como lesões supurativas inchadas, dolorosas e vermelhas com descargas de pus,

(3) drogas para desinteria caracterizada pela presença de dor abdominal, diarreia aguda, fezes com cheiro muito intenso e acompanhadas de sangue ou pus, febre a astenia e

(4) drogas para inflamação da garganta sintomaticamente caracterizada por dor, inchaço, secura, voz fraca ou rouca, febre e dificuldade/incapacidade em engulir.

Exemplos de drogas nesta categoria são: flos lonicerae, Fructus Forsythiae, Radix Isatidis, Radix Pulsatillae, Herba Violae, Herba Taraxaci.

Dar brilho aos olhos

Alguns autores também consideram a categoria de eliminar calor e dar brilho aos olhos. Neste caso falamos de drogas que tem acção especifíca sobre os olhos.

No entanto os problemas oculares tanto se podem dever a vazio de yin, plenitude calor do fígado ou vento-calor, pelo que as drogas aqui classificadas já se encontram nas outras categorias.

Algumas drogas que se encontram nesta categoria são: Radix Gentinae, Fructus Gardeniae, Spica Prunellae, Sémen Cassiae.

Drogas que eliminam calor por vazio

Drogas que eliminam calor por vazio são usadas para tratar sintomas de calor devido a vazio de yin. No entanto, estas drogas, não são tónicas do yin.

Os sintomas de calor de vazio de yin mais comuns são: febre vespertina ou nocturna, sensação de calor no corpo, sudação nocturna, calor nas extremidades e no peito (5 corações), face pálida com maçãs do rosto vermelhas.

Exemplos de drogas nesta categoria são: Herba Artemisiae Chinghao, Córtex Lycii Radicis, Radix Ampelopsis e Radix Stellariae.

Como estas drogas eliminam calor devem ser contra-indicadas em casos de vazio de yang (calor) uma vez que elas tendem a danificar o yang qi.

Também se encontram contra-indicadas em padrões de vazio de qi.

O seu uso prolongado pode prejudicar o yang qi do Baço e o Estômago.

Drogas de Matéria Médica Chinesa que promovem digestão

O grupo de drogas que promovem digestão na Matéria Médica Chinesa, é particularmente pequeno sendo conhecidas perto de 6 a 7 drogas (plantas medicinais ou fitoterápicos) que se enquadram neste grupo.

As drogas que promovem digestão tem duas acções principais: por um lado dissolvem (xiāo) e por outro guiam para fora (dăo).

Por “dissolvem” significa que estas drogas são boas a combater os sintomas da estase de alimentos como é exemplo a dor de estômago (gastralgia), diarreia, náuseas ou vômitos.

Por “guiar para fora” indica a capacidade destas drogas de dissolverem acumulações e as retirarem do sistema digestivo.

Uma acumulação compreende-se a presença de sintomas como dor associada à palpação de massas abdominais (cálculos vesiculares, por exemplo).

Entre os sintomas que estas drogas tratam encontram-se: sensação de opulência abdominal, distensão abdominal, eructações com cheiro intenso, vómitos, regurgitação ácida, dor abdominal, enjoos que agravam após a ingestão de alimentos e gastralgias.

Algumas destas drogas tem grande utilização em pediatria. Por exemplo o broto de cevada é muito usado em crianças com dificuldade em digerir o leite.

Uma vez que muitos dos problemas digestivos, a nível do Aquecedor Médio, se encontram ligados a um padrão de Estagnação de Qi é costume associar-se estas drogas com drogas que regulam o qi.

As drogas que compõem este grupo são: semente de rabanete, pele da moela do galo, massa fermentada, broto de cevada, Fructus Orizae Sativae Germinatus e fruto do espinheiro-alvar.

Notas de fim de texto


[i] YANG, Yifang; Chinese herbal formulas, pág.

[ii] SIONNEUA, DUI YAO, pág. 2-3.

[i] Yifang Yang e Siounneau designaram as respectivas categorias de forma diferente. Yifang Yang não descreveu pormenorizadamente a diferença entre oposição mútua e supressão mútua. No entanto, pelos exemplos usados parece que os autores se referem ao mesmo método de combinação de pontos. De notar que existem vários métodos e alguns autores desenvolvem uns mais que outros. Por exemplo Sionneau descreve o método “combinar naturezas e sabores” enquanto Yang não o faz.

[ii] YANG, Yifang, Chinese Herbal Formulas, pág.

[iii] Dui Yao, pág. 5

[iv] DUI YAO, pág. 6-7.

[v] Chinese herbal medicina, Moderna Applications of Tradicional Formulas, pág. 597.

[vi] Lista retirada de Chinese herbal medicine, Modern Applications of Traditional Formulas, pág. 597-598

[i] Retirado da obra DUI Yao, pág. 10-11. Para estudo mais completo das mesmas drogas consultar a obra em causa.

[ii] Estas duas formas de combinação, ou melhor dizendo a proibição de combinar, são apresentadas por todos os autores com excepção de Siounneau.

[iii] Lista retirada de Chinese herbal medicine, Modern Applications of Traditional Formulas, pág. 600

[i] Lista retirada de Chinese herbal medicine, Modern Applications of Traditional Formulas, pág. 599.

[ii] Lista retirada de Chinese herbal medicine, Modern Applications of Traditional Formulas, pág. 599

(ia) A obra the Chinese Matéria Medica publicada pela universidade de beijing refere-se a esta categoria como anti-reumáticas. No entanto, na apresentação da categoria refere explicitamente que são drogas usadas no tratamento de vento e humidade cujo principal sintomas são dores articulares.

Bibliografia Recomendada

BENSKY, Dan; GAMBLE, Andrew; Chinese Herbal Medicine Matéria Medica; ed. Eastland Press, ed. revista, ISBN 0-939616-15-7; 1993, Seattle.

ENQIN, Zhang; The Chinese Materia Medica, cole. A Practical English-Chinese Library of Tradicional Chinese Medicine; ed. Publishing House of Shangai College of Tradicional Chinese Medicine, ISBN 7-81010-111-X/R·110, Shangai, 1990

MAOSHING, Ni; Chinese Herbology made easy.

Science of Prescriptions, Publishing House of Shangai University of Tradicional Chinese Medicine

Traditional Chinese Internal Medicine, Beijing University of Traditional Chinese Medicine

Xin Lin; Classical and Modern Chinese Herbal Formulae and Research, pág. 37

YU, Chen Song; Fei, Li; Guia Clínico de Ervas e Fórmulas na Medicina Chinesa; ed. ROCA; 1ª edição; ISBN: 85-7241-140-2; 1996; São Paulo.

YANFU, Zuo; et ally; Science of Prescriptions; A Newly Compiled Practical English-Chinese Library of Traditional Chinese medicinepublishing House of Shangai University of Traditional Chinese Medicine, Shangai, 2002

ZHIXIAN, Long; The Chinese Materia Medica, English-Chinese Collegiate Textbooks in Traditional Chinese Medicine for Institutions of Traditional Chinese Medicine of Higher Learning; Beijing University of Traditional Chinese Medicine, Beijing, 1998.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.