tratar insónia

Tratar stress, insónia, depressão e ansiedade de forma natural

Os conselhos deste artigo partem da minha experiência clinica e definem algumas das guidelines terapêuticas usadas na nossa clínica de acupuntura para tratar insónia, ansiedade e depressão.

O artigo foca-se em tratar insónia, depressão, stress e ansiedade pois a base das nossas guidelines é semelhante apesar de algumas diferenças serem relevantes em termos terapêuticos ou de acompanhamento por parte de outros profissionais de saúde.

É possível tratar insónia, depressão e ansiedade de forma natural, ou seja recorrendo a métodos terapêuticos mais tradicionais.

Isto não significa, obviamente, que estes tratamentos sejam 100% eficazes ou que outras abordagens não sejam igualmente, ou mais, eficazes.

No nosso gabinete, ao tratar insónia, stress, ansiedade ou depressão, damos atenção a 3 terapias distintas.

Estas terapias são moldáveis e adaptáveis às particularidades de cada doente e atuam em ação sinérgica potencializando os efeitos uma das outras.

Além de serem terapias bem toleradas pelos pacientes também se conseguem integrar bem com outras terapias como tratamentos farmacológicos, hipnose clínica, etc…

tratamento manual de osteopatia

Acupuntura para Stress

Efeitos biológicos do Stress

Como conceito biomédico, refere-se a um fator físico, mental ou emocional que provoca tensão física ou mental. Existe um padrão típico de resposta a esta tensão física e mental que ficou conhecido como Síndrome de Adaptação Geral (SAG). Este síndrome é composto por 3 fases distintas: alerta, resistência e exaustão.

Chama-se Síndrome de Adaptação Geral pois a reação do organismos ameaçado ou agredido é global e funciona através da ativação de mecanismos neuro-endócrinos através do eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal.

O stress instala-se através de situações de alarme que gram sinais em direção ao hipotálamo.

Podem ser informações psíquicas, alterações na composição do sangue, informações dolorosas (nociceptores), alterações de tensão arterial periféricas (baroreceptores), etc…

O hipotálamo integra estas informações e emite uma resposta (eferência).

A resposta começa no hipotálamo através da segregação e uma hormona que estimula a hipófise.

Por sua vez a hipófise segrega hormonas que estimula as supra-renais terminando o ciclo com a sintetização da adrenalina que estimula o sistema nervoso simpático.

O síndrome do simpático é a clássica reação de fuga ou luta.

Aumenta a frequência cardíaca para melhorar o aporta de oxigénio aos músculos, existe broncodilatação para aproveitar melhor o oxigénio, taquipneia (aumento da frequência respiratória) ao mesmo tempo que existe vasoconstrição periférica (o clássico branco de susto) com vasodilatação muscular para os músculos responderem melhor ao estímulo.

Simultaneamente existe aumento da glicémio muscular com dilatação da íris para aumentar o campo de visão e inibição do sistema imunitário.

Todas estas reações são conhecidas de alguém que já apanhou sustos fortes e são temporárias.

São manifestações de defesa que permitiram a evolução e salvaguarda da espécie ao longo de milhões de anos.

No entanto quando estas alterações se tornam permanentes surge o stress.

A resposta global do organismo, se permanente, afeta diversos sistemas fazendo com que respostas temporárias do corpo passem a ser um grave problema de saúde.

Assim as alterações repetidas e constantes ao ritmo cardíaco faz com que o stress permanente seja responsável por enfartes do miocárdio, hipertensão arterial, embolias e tromboses.

O estado de vigília permanente e tensão física e emocional está associada a alterações psíquicas (conduzindo muitas vezes à depressão) e insónia.

A inibição do sistema imunitário torna as pessoas afetadas pelo stress mais susceptíveis a problemas de pele, aumento de susceptibilidade de infeções ou mesmo doenças oncológicas (digestiva e pulmonar por exemplo).

tendinites tendinose tendinopatias

Sintomas de Stress no doente

O Stress pode manifestar-se através de vários sintomas e afetar seriamente a saúde emocional, social e física do paciente.

Dos diferentes sintomas destacamos:

1 – Desânimo, tristeza e depressão;

2 – Irritabilidade, ansiedade e nervosismo;

3 – Dores, psicossomatizações;

4 – Desconforto generalizado;

5 – Insónia e alteração dos padrões de sono;

6 – Dificuldade nas relações sociais;

7 – Sensação de isolamento;

Acupuntura no stress

A acupuntura para o stress tem a grande vantagem de conseguir dar um bem estar geral ao indivíduo ajudando a eliminar o estado permanente de stress, baixando o ritmo cardíaco, relaxando os músculos, permitindo melhores noites de sono, mais energia no dia a dia e vitalidade psicológica.

A abordagem global da acupuntura para stress torna ideal para combater uma resposta global permanente do organismo a determinados estímulos.

Além disso a acupuntura é indicada para o tratamento de uma série de patologias derivadas do stress como seja a tensão muscular, insónia, depressão leve a moderada.

satisfação profissional autonomia

Como tratar insónia, ansiedade e depressão naturalmente

Acupuntura

Existem vários princípios subjacentes ao uso da acupuntura para tratar insónia. Vamos falar resumidamente dos mesmos.

Técnicas de neuromodulação periférica

Estudos mostraram que a acupuntura aumentava a concentração de melatonina e melhorava a qualidade do sono.  Este estudo foi conduzido em pacientes com insónia derivada de ansiedade[1].

Outro estudo mostrou que estímulos neuromoduladores periféricos conseguiam melhorias significativas na qualidade de sono em pacientes com HIV[2].

A acupuntura diminui a atividade do sistema nervoso simpático aumentando o relaxamento do paciente[3].

Técnicas invasivas fasciais craneanas

Eliminar pontos de tensão na fascia craniana e relaxar musculatura local. Estas técnicas aliviam a tensão que os pacientes sentem na cabeça sendo muito usadas no alívio da dor de cabeça.

Relaxamento muscular

Algumas destas técnicas exigem um acupuntor experiente. O relaxamento muscular da cervical e do pescoço permite uma melhor vascularização cerebral via artéria vértebro-medular e carótidas[4].

A combinação de vários efeitos neuro-fisiológicos, musculares e facilitadores da vascularização, locais e distais fará com que as técnicas invasivas consigam dar uma ajuda relevante ao tratamento da insónia, da ansiedade e da depressão.

Entre os estudos científicos e o trabalho multidisciplinar

A acupuntura é uma excelente ferramenta de trabalho na área da psicologia.

Na opinião da nossa equipa tem resultados excelentes no tratamento de uma série de sintomas que podem afetar a qualidade de vida e a qualidade das relações sociais e deve ser sempre encarada como um tratamento de curta duração e como complemento à psicologia.

Diversas meta-análises tem mostrado o potencial da acupuntura no tratamento da ansiedade, insónia chamando também  atenção para a fraqueza metodológica de alguns estudos (spence 2004; Hui Jiao 2009; Birne 2010)

O mesmo acontece no tratamentos da depressão leve a moderada e depressão major (Wolf 1999; Allen 1998, Allen 2006).

Na nossa clínica aconselhamos a acupuntura no tratamento de insónia, ansiedade, depressão leve e moderada, sono pouco repousante com pesadelos, estados de irritabilidade, síndrome do pânico, etc…

Estudos tem sugerido o uso da acupuntura para tratar insónia em grávidas (Guerreiro da Silva, 2005) e depressão em grávidas (Manber 2005).

A acupuntura não se tem mostrado eficaz no tratamento da depressão major.

A acupuntura não se encontra comprovada no tratamento de epilepsia ou esquizofrenia (Stavem 2000, Lee 2009).

Deve-se ter particular atenção na abordagem destes pacientes. Na nossa clínica não se desenvolvem tratamentos de acupuntura para epilepsia ou esquizofrenia.

mobilidade choques culturais

Relaxamento com técnicas manuais

A insónia e a ansiedade não se encontram nas principais indicações clinicas da osteopatia.

No entanto a aplicação de técnicas de relaxamento muscular e desbloqueio fascial ajudam a potencializar os efeitos da acupuntura.

É possível criar uma ação sinérgica entre osteopatia e acupuntura para tratar insónia e ansiedade.

Farmacoterapia tradicional

Por vezes só a acupuntura não consegue tratar a insónia.

Muitos paciente apresentam ansiedade com insónia e nota-se uma melhoria grande da ansiedade mas não da insónia, por exemplo.

O uso de fitoterapia chinesa pode ser relevante no sentido de potencializar os tratamentos de acupuntura e obter uma ação clínica superior.

Neste caso associamos os efeitos neurofisiológicos de técnicas invasivas com os efeitos bioquímicos da fitoterapia.

É importante realçar que esta última abordagem exige alguns cuidados extra, especialmente em pacientes que já se encontrem medicados, devido à possibilidade de existência de interações farmacológicas.

O uso de alguns fitoterápicos também exige cuidados na escolha do acupuntor já que o diagnóstico é mais complexo.

Medicina Tradicional Chinesa

Causas da insónia e abordagem terapêutica

As diferentes causas da insónia são relevantes para definir variantes das guidelines terapêuticas ou mesmo para escolher aplicar, ou não determinado tratamento.

Por exemplo, se a insónia for derivada de um quadro de dor intensa o segredo não será abordar a insónia mas sim o quadro de dor pois o alívio consequente da dor irá melhorar o qualidade de sono.

Se a insónia se encontrar num quadro complexo de outros sintomas de foro psiquiátrico como ansiedade ou depressão é necessário alterar guidelines, estudar a medicação prescrita à paciente, reencaminhar (caso ainda não tenha sido feito) para psicólogos ou psiquiatras, etc…

Se a insónia estiver associada a hábitos de vida como maus hábitos alimentares, álcool, diferentes horários de sono, etc… é preciso abordar essas causas.

Ou seja, a história clínica do paciente é relevante para sabermos definir e alterar as guidelines usadas para tratar aquele paciente.

O tratamento da insónia, ansiedade e depressão estão dependentes das características individuais e da história clínica do paciente. Cada paciente tem um tratamento mais individualizado.

preços da sessão de acupuntura

Casos Clínicos

Depressão vertigens e insónia tratados com acupuntura

Paciente do sexo masculino, com 51 anos, recorreu às consultas de acupuntura devido à presença de depressão, vertigens e insónia.

O paciente também apresentava alterações digestivas e instabilidade emocional com irritabilidade.

Entre os sintomas do paciente encontrava-se:

1 – Depressão desde 1999.

2 – Desequilibrios – vertigens.

3 – Dificuldade em dormir – acorda muito cansado.

4 – Indisposição digestiva – enjoos, sensação vómito, azia.

5 – Irrita-se facilmente. Irritabilidade agrava boca seca, agitação, insónia.

6 – Suores noturnos.

7 – Quando está mais cansado adormece mais rapidamente.

8 – Pulso fino e tenso.

9 – Sensação de corpo quente mais comum há noite.

A análise semiológica em medicina chinesa concluiu a existência de um vazio de yin do coração.

Como o paciente já tomava vários medicamentos (Escitalopram 10 mg, Diplexil 500 mg, Olanzapina 2,5 mg)

foi pensada uma abordagem com um mínimo de prescrição de matéria médica (fitoterapia) de forma a prevenir alguma interação famacocinética.

Para tratar este paciente foi selecionada a acupuntura tradicional chinesa, acupuntura contemporânea e a farmacologia chinesa.

O paciente respondeu positivamente aos tratamentos sendo que ao final de 5 consultas já não apresentava sintomas. 

Ao todo foram efetuados 7 tratamentos de acupuntura ao longo de 10 semanas.

depressão stress ansiedade insónia em grávidas

Insónia, stress e ansiedade tratados com medicina chinesa

Insónia, stress e ansiedade foram as queixas deste paciente do sexo masculino, na casa dos 30 anos.

A insónia, stress e ansiedade tinham 8 a 9 meses de duração, estando associadas, tal como os outros sintomas a problemas familiares e profissionais.

Outros sintomas do paciente:

1 – Dificuldade em adormecer, acorda durante a noite e volta a dormir ou acorda e já não consegue dormir.

2 – Agitação psicológica.

3 – Astenia associada à falta de sono.

4 – Estados de irritabilidade ou stress provocam insónia.

5 – Estados de stress e ansiedade desencadeiam cefaleia.

6 – Cefaleia temporal. Também aparece cefaleia frontal.

7 – Agrava ao fim do dia.

8 – A cefaleia é contínua e tem sensação de peso associada.

9 – Não associa o frio ou o calor como factores agravantes ou atenuantes da cefaleia. O mesmo para a pressão.

10 – A cefaleia (dor de cabeça) não irradia para o ombro ou costas.

11 – Durante a cefaleia não apresenta fotofobia nem náuseas ou vómitos.

12 – Não apresenta problemas digestivos nem na presença de alterações emocionais.

13 – Com stress surge opressão torácica e no hipocôndrio.

14 – Estados de maior ansiedade podem desencadear palpitações e dificuldade em respirar.

A análise semiológica mostra uma associação entre queixas clinicas e padrões clínicos.

O stress e ansiedade pareciam associados a um síndrome de Estagnação de Qi com produção de Humidade e a insónia a um padrão de Estagnação de Qi do Fígado a desencadear vazio de sangue e yin.

Só foi efetuado tratamento de acupuntura, não se usando fitoterapia ou dietética (o paciente tomava paroxetina). Ao final de 4 sessões semanais os sintomas de insónia, stress e ansiedade tinham desaparecido por completo.

O paciente decidiu continuar a fazer tratamentos de acupuntura mensais porque o ajudavam a relaxar.

Ansiedade e insónia tratadas com acupuntura chinesa

Paciente do sexo feminino na casa dos 30 anos, recorreu às consultas de acupuntura devido à presença de ansiedade e insônia.

A paciente referia a existência de sono leve e dificuldade em adormecer acordando várias vezes ao longo da noite.

A ansiedade e insônia tinham tido inicio 3 semanas antes do inicio dos tratamentos de acupuntura.

A paciente também apresentava um historial clinico de crises de ansiedade.

Não foi feito diagnóstico em Medicina Tradicional Chinesa porque os sintomas acompanhantes da ansiedade e insônia eram inconclusivos.

No entanto a acupuntura foi pensada em termos tradicionais.

Ao todo foram realizadas 6 consultas de acupuntura.

Ao final da 4ª consulta a paciente já não referia a existência de ansiedade e insónia.

Referências Bibliográficas

[1] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14990755

[2] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11211670

[3] file:///Users/apple/Downloads/Insomnia_November_2014.pdf

[4] file:///Users/apple/Downloads/Insomnia_November_2014.pdf